(67) 99826-0686
PMCG - SLOGAN 17/06 A 30/06

'Exploração da Miséria' deixa um morto e nove desaparecidos em Campo Grande

Grupo responsável por rede de exploração e tráfico de drogas foi preso no bairro Danúbio Azul

11 NOV 2016
Dany Nascimento e Anna Gomes
11h15min
Foto: Geovanni Gomes

Integrantes de um grupo responsável pela exploração sexual e tráfico de drogas no bairro Danúbio Azul, região norte da Capital, foram presos em uma operação realizada pela Polícia Civil,  através de parceria entre a Deaij (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude) e a Delegacia Especializada de Repressão ao Crime de Homicídio.

No total, 10 pessoas acabaram presas e 8 delas, foram apresentadas na manhã desta sexta-feira (11), enquanto outros 2 membros do grupo de criminosos participavam de uma audiência de custódia. Foram apresentados Luiz Alves Martins Filho, Diego Vieira Martins, Rudy Pereira da Silva, Geová Ferreira Ovasco vulgo "Vasco", Geová Ferreira Lima Filho, Ariane de Souza Gonçalves, Andréia Conceição Pereira e Wagner Vieira Garcia acusados de realizar a 'Exploração da Miséria", já que agiam com o objetivo de aliciar dependentes químicos, que possuem situação financeira baixa.  

Cada membro do grupo tinha uma função, Luiz foi apontado como o 'chefão' da rede. Já Ariane era responsável por aliciar os adolescentes, que se dividiam entre homens e mulheres. De acordo com a delegada Deaij (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), Aline Gonçalves Sinnotti Lopes, a rede de exploração existe há 3 anos e "contratava" adolescentes para se prostituir em troca de pasta base.

As vítimas possuem entre 13 e 22 anos, sendo cinco adolescentes. Uma das vítimas,  foi assassinada e outras nove estariam desaparecidas. A polícia chegou até o grupo após a morte de Leandro Aparecido Ferreira, conhecido como 'Leleco', em setembro deste ano, já que o irmão de Leandro desconfiou do crime e comunicou os policiais.

Com o grupo, a polícia efetuou três prisões em flagrante, pois encontrou drogas na casa dos familiares de Wagner, 70 galos utilizados para rixa na casa de Rudy e uma arma de fogo na casa de Luiz.  Segundo a delegada, a polícia demorou para chegar até os autores do crime, já que a população se manteve calada por ter medo dos suspeitos, considerados perigosos na região.

A polícia não descarta a possibilidade de mais prisões nos próximos dias, por se tratar de uma rede de exploração sexual.

Buscas por corpos

Além de cumprir os mandatos de busca e apreensão, a Polícia Civil levou uma equipe com retroescavadeira até  a região da Chácara dos Poderes, próximo a Uniderp Agrárias, já que o grupo informou que teria enterrado corpos no local.

Após cavar, a equipe não encontrou nenhum dos corpos e finalizou as buscas. Nove pessoas continuam desaparecidas.

 

  

Veja também