Menu
segunda, 21 de setembro de 2020
Polícia

'Festa de arromba': grupo de crianças faz uso de Viagra, ecstasy e álcool em escola

As crianças, com idades entre 12 e 13 anos, ingeriram as substâncias durante um piquenique; suposto abuso sexual também pode ter ocorrido e está sendo investigado

22 março 2019 - 15h15Por Da redação/Acústica FM

Um piquenique externo, preparado na última quinta-feira pelo Colégio Evangélico Alberto Torres, em Lajeado, no Vale do Taquari, para alunos do 8º ano, virou alvo de investigação do Ministério Público. Relatos de testemunhas apontaram que o grupo de crianças, com idades entre 12 e 13 anos, ingeriu bebida alcoólica, ecstasy (psicotrópico sintético) e Viagra (remédio para impotência sexual), o que demandou atendimento médico. Um suposto abuso sexual também pode ter ocorrido, de acordo com vídeos e áudios que circularam em redes sociais da região.

Em reunião na tarde dessa terça-feira, o promotor Carlos Augusto Fioriolli estipulou que a instituição de ensino entregue ao Ministério Público documentos que constituam provas sobre os envolvidos no piquenique, assim como a identificação das crianças e dos pais. “É nessa etapa que estamos trabalhando, com o reconhecimento da conduta de cada personagem para, posteriormente, verificar a gravidade e aplicar a medida socioeducativa”, completa o promotor.

Em entrevista à Rádio Guaíba, Fioriolli explicou que os funcionários do Ministério Público começaram a receber mensagens em redes sociais e em grupos de WhatsApp com áudios, fotos e vídeos do evento promovido pela escola, inclusive o que incluía uma jovem sendo abusada por um colega. “Começamos a fazer um trabalho quase jornalístico, de entender quem, o que e onde exatamente aquelas informações estavam circulando e, principalmente, de onde elas estavam saindo”.

O promotor ainda contou à reportagem que, ainda na sexta-feira, encaminhou uma notificação ao Hospital Bruno Born, à Unimed e à Unidade de Pronto Atendimento do município para saber se alguma criança havia dado entrada com as características citadas nos áudios, como abuso e embriaguez. “Com a afirmação de que na UPA um menino de 13 anos havia ficado internado durante o final de semana, pudemos dar andamento às investigações”, completou Fioriolli.

Já com algumas informações e provas confirmando o ocorrido, o Ministério Público reuniu-se com a direção da escola e exigiu imagens das câmeras de segurança da instituição. “Durante esse período, enquanto estamos fazendo a análise dos documentos, já ouvimos dois jovens e seus pais para ternarmos compreender toda essa situação e, partir dali, buscarmos a conduta que cada um teve antes do evento na combinação do que levar ao piquenique, bem como a conduta que cada um teve diante das falas e das filmagens”.

Conforme o promotor, entender a conduta de cada jovem no evento é fundamental para que as medidas de proteção e socioeducativas sejam aplicadas com maior ou menor intensidade. “Podemos ter, nesse caso, abuso sexual, tráfico de drogas e outros diversos tipos de infrações que podem ser considerados crimes ou atos infracionais. Estamos, inclusive, pedindo exames toxicológicos nessas crianças para identificar o tipo de toxina que há no organismo”.

O promotor disse ainda que, além do âmbito do Direito, o caso precisa ser analisado pelo viés psicológico e do Estatuto da Criança e do Adolescente para compreender e identificar por que um grupo de jovens promoveu, filmou e compartilhou nas redes sociais o que ocorreu durante o piquenique. “É um seleto grupo de crianças, com famílias estruturadas, com condições financeiras e é preciso entender o que os motivou a fazer e mostrar à grande sociedade. Isso é importante pelo aspecto social e não só pela responsabilidade dos pais e omissão e das ações dos filhos, mas exatamente para conhecer o que está acontecendo com certos grupos de jovens que, além de quebrar a regra, querem mostrar que ela está sendo quebrada”, finalizou Fioriolli.

A reportagem entrou em contato com a instituição de ensino, que afirmou que a atividade, que é anual, ocorreu na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). A escola garante estar auxiliando o Ministério Público na identificação dos alunos e dos responsáveis. Esclarece, ainda, que 14 estudantes foram suspensos, por três dias.

Leia Também

Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Cidades
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Interior
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Geral
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Laudo diz que fígado de menino de 4 anos 'explodiu' após surra da madrasta
Geral
Laudo diz que fígado de menino de 4 anos 'explodiu' após surra da madrasta