TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
domingo, 26 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
CENA DE HORROR

Morta pelo marido levou facadas nas costas e ficou 1 mês com as nádegas em carne viva

Francielle Guimarães Alcântara precisava usar bandagem na roupa para conseguir sentar

27 janeiro 2022 - 19h00Por Thiago de Souza e Vinícius Squinelo

Francielle Guimarães Alcântara, 36 anos, passou quase um mês sofrendo as piores torturas que se possa imaginar, no Portal Caiobá, em Campo Grande. As nádegas dela estavam em carne viva. 

A constatação foi feita pelo delegado Camilo Kettenhuber Cavalheiro, a partir de laudos feitos pelo Instituto Médico e Odontológico, o IMOL. Desde 1º de janeiro, Francielle sofria tortura diária em razão de ter cometido adultério. 

O policial apurou com testemunhas que Adailton Freixeira da Silva, 46 anos, torturava a vítima física e psicologicamente dentro de casa. Não bastasse isso, ele manteve a família – adolescente de 17 anos e um bebê de um ano e oito meses, em cárcere privado desde o começo do ano. 

BÁRBARIE

No detalhamento das agressões, Camilo conta que Francielle teve os dentes quebrados pelo marido, lesões por faca e cabelo cortado. O ferimento mais grave causado por Adailton chocou até a polícia. 

‘’As nádegas dela estavam em carne viva. Ela não tinha mais pele no local, estava já na camada de gordura. Ela usava bandagem na roupa para poder sentar’’, disse o delegado. 

O delegado, que atua na 6ª DP, no Tijuca, conta que em 11 anos de carreira, nunca tinha visto tanta barbárie. Ela também foi alvo de facadas nas costas e surras.

‘’Foi estarrecedor. Nunca vi algo que me chamasse a atenção desse jeito’’, reflete Kettenhuber. 

A investigação conseguiu encontrar a bandagem usada pela vítima, além de vários objetos usados para torturar Francielle. Entre eles está um pedaço de madeira com uma cordinha, onde o suspeito asfixiava a vítima. 

O CASO

Francielle foi achada morta, em casa, pelos familiares. O Samu foi acionado e constatou o óbito. 

Na delegacia, Camilo Kettenhuber desconfiou do caso e pediu informações sobre o estado do corpo. A suspeita dele foi confirmada e o IMOL confirmou lesões compatíveis com tortura. 

O filho de Francielle foi ouvido mais uma vez, assim como outros familiares, onde veio à tona toda a história de terror contra essa família. 

Como o caso foi classificado como feminicídio, será enviado para a Delegacia de Atendimento à Mulher. O suspeito segue foragido.