Menu
domingo, 09 de agosto de 2020
Linha de frente - compet
Polícia

Mulher encontrada morta pelo namorado foi assassinada; polícia procura suspeito

A polícia descartou participação de namorado no crime

10 dezembro 2019 - 17h33Por Dany Nascimento

A polícia descobriu que a uma mulher de 27 anos, encontrada morta dentro de casa no dia 28 de novembro, no bairro Jardim Campo Grande, na Capital, foi assassinada.

De início, o caso foi registrado como morte natural, mas diante de exames realizados no corpo, a Polícia Civil descobriu que a mulher foi vítima de asfixia mecânica (interrupção do ar atmosférico até as vias respiratórias, em decorrência da constrição do pescoço) e trauma hack medular (lesões envolvendo as medulas espinal, vertebral ou ambas).

De acordo com a delegada da 5ª Delegacia de Polícia Civil, Gabriela Stanlei, o namorado da vítima, um rapaz de 17 anos, não é apontado como suspeito nas investigações. “Nós identificamos uma outra pessoa. Estamos iniciando as investigações, já ouvimos algumas testemunhas do caso e ainda vamos ouvir outras pessoas, mas ficou claro que ela foi morta por asfixia mecânica”. 

Ela foi encontrada morta pelo namorado. Ele chegou na residência durante a madrugada e encontrou o corpo da jovem no colchão. A vítima estava deitada, seminua e sem sinais vitais.

Os filhos da vítima de 8, 7 e 5 anos estavam na residência, mas disseram que não ouviram barulho na casa e nem presenciaram cena de violência.   

Leia Também

Brasil registra 572 novas mortes por covid-19 em 24 horas
Saúde
Brasil registra 572 novas mortes por covid-19 em 24 horas
Dia dos Pais: ‘Ramão véio’ é lenda viva na família Santa Cruz
Algo mais
Dia dos Pais: ‘Ramão véio’ é lenda viva na família Santa Cruz
Brasil tem 572 mortes por covid em 24 horas e total vai a 101.049 neste domingo
Geral
Brasil tem 572 mortes por covid em 24 horas e total vai a 101.049 neste domingo
Baiano, o 'pipoqueiro do Auxiliadora', perde a luta contra a covid aos 89 anos
In Memoriam
Baiano, o 'pipoqueiro do Auxiliadora', perde a luta contra a covid aos 89 anos