Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Polícia

Fim do serviço 'Bombril': Operação Legalidade orienta policiais para fazer só a obrigação

Medida evita complicações para servidores e, de quebra, mostra desvalorização da categoria

08 maio 2019 - 09h52Por Dany Nascimento

A ‘Operação Legalidade’ foi lançada na manhã desta quarta-feira (8), nas delegacias de Mato Grosso do Sul, para orientar policiais civis a realizarem apenas atribuições previstas na legislação. Conforme o presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis do Mato Grosso do Sul), Giancarlo Miranda, o policial civil acaba fazendo tarefas que não competem a profissão, na tentativa de agilizar o atendimento à população.

“Nos desdobramos para adiantar a investigação, diminuindo a burocracia, para dar uma resposta mais rápida à população. Porém, nosso empenho não é valorizado. Temos índices de primeiro mundo em resolubilidade de crimes, porém um dos piores salários do Brasil e o descumprimento de direitos, que acabam desmotivando a categoria”, disse Giancarlo.

Segundo o presidente, a promoção funcional referente ao ano de 2018 está há mais de 340 dias sem a conclusão. O policial civil que realiza atividades que não pertencem ao cargo, incorrem crimes de usurpação de função de falsidade ideológica. O Ministério Público Estadual denunciou um policial civil por falsidade ideológica recentemente, devido a praticar atos alheios a sua função legalmente instituídos.

Os diretores do Sinpol-MS percorrem as delegacias do Estado, distribuindo panfletos para orientar a categoria. Uma equipe permanece na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro, realizando a operação.

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar