Menu
sábado, 28 de novembro de 2020
Polícia

PF prende traficante internacional de drogas durante Operação Aplique

O preso já estava sendo monitorado e investigado desde julho de 2017 por ter enviado mulas com cocaína para Portugal

23 abril 2019 - 16h39Por Da redação/Agência Brasil

A Polícia Federal prendeu hoje (23), como parte da Operação Aplique, uma pessoa que faz parte de um grupo que atuava no tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. Outros 14 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em São Paulo e Campo Grande. O preso já estava sendo monitorado e investigado desde julho de 2017 por ter enviado mulas (pessoas que transportam drogas) com cocaína para Portugal.

Segundo o delegado regional de investigação e combate a crime organizado da Polícia Federal, Marcelo Ivo de Carvalho, foram notadas coincidências entre remessas apreendidas e o envio dessas pessoas ao exterior. "A partir das investigações, descobrimos que essas mulas eram entregues em um apartamento em São Paulo. A partir da coleta de imagens, em locais onde foram feitas reuniões com essas mulas, identificamos o alvo da operação".

As pessoas que transportavam drogas eram enviadas para o exterior por meio do Aeroporto Internacional de Guarulhos e transportavam, em média, entre 30 e 40 kg de cocaína. "As mulas tinham características semelhantes, as drogas eram embaladas da mesma forma". Entre o grupo havia estrangeiros de nacionalidade boliviana e espanhola, um deles com condenação por tráfico de drogas, na Bolívia, e outro com mandado de prisão expedido pela Espanha.

O alvo foi preso em casa, porque havia um temor da PF de que ele fugisse do país. "A intenção era deflagar a operação de forma conjunta, mas em virtude dessa possibilidade de fuga, ele acabou sendo preso antes. Essa investigação acabou cruzando com a outra que era desempenhada pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes, que acabou sendo usada para confirmar a lavagem de dinheiro oriundo do tráfico de drogas".

De acordo com o responsável pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF, Luiz Carlos Ratto Tempestini, foi feita um investigação paralela com relação à lavagem do dinheiro, na qual constatou-se movimentação financeira acima do declarado e incompatível com a atividade. "A movimentação financeira da conta corrente foi de R$ 30 milhões em um ano e meio. A lavagem era feita por meio de salões de beleza e empresas de outros ramos". Todos os bens em nome do preso foram sequestrados pela Justiça, ou seja, ficam indisponíveis para o titular e, posteriormente, são revertidos para a União.

Leia Também

Nelsinho Trad é cotado para ministro do exterior, mas Bolsonaro promete que Araújo 'não cai'
Política
Nelsinho Trad é cotado para ministro do exterior, mas Bolsonaro promete que Araújo 'não cai'
Polícias se unem e apreendem 400 kg de maconha enterradas em Rio Verde
Interior
Polícias se unem e apreendem 400 kg de maconha enterradas em Rio Verde
Com hospitais lotados, SES alerta para aglomerações na Black Friday
Cidades
Com hospitais lotados, SES alerta para aglomerações na Black Friday
Mulher corre até viatura e denuncia ex-namorado que a ameaçava com revólver em Dourados
Interior
Mulher corre até viatura e denuncia ex-namorado que a ameaçava com revólver em Dourados