Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Polícia

Tiroteio faz 2ª vítima fatal pela PM em 15 dias

Vítimas tinham antecedentes criminais e teriam resistido a abordagem policial

12 maio 2019 - 14h34Por Da redação/JP News

Em 15 dias, a Polícia Militar matou duas pessoas com passagens pela Justiça de Três Lagoas, ambas em tiroteios contra equipes da Força Tática. Os mortos, Ancelmo de Souza Diniz, de 38 anos (dia 22 de abril) e Felipe Francisco Ribeiro, de 19 (7 de maio), teriam atirado contra os militares, que revidaram, segundo registros de ocorrências feitos pela PM.

A diferença, no segundo caso, é que o criminoso não fez disparos com o revólver que portava porque a munição teria falhado.

O comandante da PM, major Ênio de Souza Soares disse que a ordem é para revidar ação hostil contra a tropa, para preservar integridade física dos militares. "Qualquer injusta agressão armada, é correspondida, a bem da força policial. A equipe é treinada para diminuir os riscos e age em legítima defesa, dentro da lei e cumprimento do dever."

REVIDE

Ancelmo Diniz, preso por porte de arma, fugia com objetos roubados de uma moradora do bairro Interlagos, quando foi perseguido e morto com três tiros em uma estrada do bairro Jupiá. Ele estava armado com um revólver 38.

Felipe Ribeiro, conhecido por "Guardanapo", acusado de furto e porte de drogas, teria apertado o gatilho de um 22 cinco vezes, ao ser flagrado com um 1 quilo de cocaína, no bairro São Carlos. Morreu a caminho de hospital.

Leia Também

Ministra Tereza Cristina e ministro Salles vão visitar Pantanal no sábado
Geral
Ministra Tereza Cristina e ministro Salles vão visitar Pantanal no sábado
Mulher é presa após chamar motorista de aplicativo de "gordo, preto e fedido”
Interior
Mulher é presa após chamar motorista de aplicativo de "gordo, preto e fedido”
Prefeitura garante R$ 70 mil em prêmios no Nota Premiada Campo Grande
Cidade Morena
Prefeitura garante R$ 70 mil em prêmios no Nota Premiada Campo Grande
Gaeco deixa edifício com documentos apreendidos em Dourados
Polícia
Gaeco deixa edifício com documentos apreendidos em Dourados