Menu
segunda, 14 de junho de 2021
Política

Bolsonaro insiste em imunidade de rebanho, sugere infectologista de MS

Na visão do especialista, não temos indicador nenhum para que a medida seja adotada

11 junho 2021 - 09h30Por Nathalia Pelzl

O infectologista de Mato Grosso do Sul, Júlio Croda, usou seu perfil no Facebook para criticar a decisão do presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre o parecer que desobriga uso de máscaras em vacinados e curados. 

“Não incentivar o uso de máscara nesse momento reforça a ideia de imunidade de rebanho da gestão Bolsonaro no combate a pandemia”, disse em uma das postagens. 

“Só podemos liberar o uso de máscara em vacinados quando tivermos menos de 10 casos por 100 mil habitantes. Estamos com 30 casos por 100 mil habitantes”, apontou em outra publicação sobre o tema. 

Na visão do especialista, não temos indicador nenhum para que a medida seja adotada. 

Entenda 

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, nesta quarta-feira (10), em evento no Palácio do Planalto, que pediu ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga para que assinasse um parecer desobrigando que pessoas vacinadas e curadas da covid-19 usem as máscaras de proteção contra a doença, recomendado pelas autoridades de saúde.

Durante o seu discurso, o governante do país voltou a questionar o número de mortes que assolam o Brasil com base no levantamento feito por um servidor da TCU (Tribunal de Contas da União), mas que foi desmentido pelo órgão.

"Ele [Queiroga] vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscaras por parte daqueles que estejam vacinados ou que foram contaminados para tirar esse símbolo que obviamente tem a sua utilidade para quem está infectado", disse.

Tal medida contraria as recomendações das autoridades sanitárias do mundo todo, que recomendam o uso de máscara mesmo em pessoas que estejam curadas e vacinadas, já que podem ser reinfectadas pelo vírus.

No mundo, Israel e Estados Unidos são um dos países que optaram por desobrigar o uso da máscara em pessoas que foram vacinadas. No entanto, segundo aponta o Our World in Data, a campanha de vacinação está bem avançada com índices de 59% que já receberam a primeira dose da vacina e 42,15% para quem completou o ciclo.

A campanha de vacinação no Brasil atingiu apenas 11,06% das pessoas que estão completamente imunizadas contra o coronavírus, segundo detalhes do UOL.