TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
domingo, 26 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Política

Bolsonaro supera Dilma em pedidos de impeachment

Presidente tem mais pedidos para sair do cargo que a ex-presidente Dilma em todo o mandato

09 dezembro 2021 - 08h46Por Rayani Santa Cruz

Em quase três anos de governo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) já foi alvo de 143 pedidos de impeachment superando a ex-presidente Dilma Roussef (PT) em todo o mandato.

Conforme o UOL, a marca de Bolsonaro foi alcançada após a Câmara dos Deputados receber, ontem à tarde, uma petição capitaneada pelo jurista Miguel Reale Júnior, o mesmo que assinou a peça que levou à queda da ex-presidente Dilma Rousseff.

Entregue à Câmara no final de 2015, aquele foi um dos 68 pedidos de impeachment que Dilma sofreu enquanto ocupou o Planalto. O número, acumulado ao longo de mais de cinco anos de gestão, é inferior ao que Bolsonaro recebeu só neste ano. Foram 84 pedidos contra o mandatário em 2021, segundo dados da Câmara.

Segundo o site, as alegações contra Bolsonaro envolvem desde a publicação do vídeo do "golden shower", no Carnaval de 2019, até declarações em apoio à ditadura militar e ao golpe de 1964.

Mas foi outro motivo que turbinou a quantidade neste ano: a condução do país no combate ao novo coronavírus.

A petição de Miguel Reale Júnior, por exemplo, é baseada no relatório da CPI da Covid, finalizado pelo Senado em outubro. Desde o ano passado, porém, a gestão da pandemia tem sido lembrada em ações contra o presidente.

Segundo dados da Câmara, o tratamento dado por Bolsonaro à covid-19 é citado em pelo menos 62 documentos, dos quais 54 foram apresentados neste ano. Em 2019, quando ainda não havia a doença, apenas cinco pedidos chegaram às mãos do então presidente da Câmara, Rodrigo Maia (sem partido-RJ).

Até o momento, todos os 143 pedidos contra Bolsonaro aguardam apreciação do atual líder da Casa, o deputado Arthur Lira (PP-AL). De todo o montante, apenas sete foram arquivados ou desconsiderados, devido a erros formais identificados no momento do protocolo.

Os demais seguem "em análise", com prazo indeterminado.