Menu
domingo, 25 de outubro de 2020
Política

Denúncias na gestão e 'santinhos' da Santa Casa: Esacheu na mira de investigações

Aumento de dívida, terceirização e até uso eleitoral do hospital são temas denunciados

08 outubro 2020 - 07h00Por Vinícius Squinelo

Uso da gestão do maior hospital de Mato Grosso do Sul com objetivo eleitoral, e deixando de lado a Saúde do campo-grandense. Essa é apenas uma das denúncias que ex-conselheiros e até ex-presidente da Santa Casa fazem contra Esacheu Cipriano Nascimento, que deixou a instituição para concorrer à Prefeitura de Campo Grande pelo Partido Progressista.

Irapuã dos Santos é um dos que faz graves denúncias contra a gestão de Esacheu. “A Santa Casa é uma entidade filantrópica, e como tal de quem obedecer à Lei que a equipara a órgão público, por receber verbas públicas, logo tem que publicar contratos, licitações, e não faz nada disso. Eu questionei a situação e acabei expulso”, afirmou.

Segundo o ex-conselheiro, no começo da gestão Esacheu, a Santa Casa devia 69 milhões de reais; hoje a dívida é de 193 milhões. “Só em 2019, o chamado gasto operacional teve um aumento de 25 milhões de reais, de onde isso?”, questiona. Irapuã, inclusive, levou a situação para o Ministério Público Federal, onde pelo menos dois procedimentos e uma recomendação foram emitidos.

“A Santa Casa tem que ser passada a limpo” - Irapuã dos Santos, ex-conselheiro da Santa Casa

Sobre a recomendação do MPF, quem comenta o caso é outro ex-conselheiro do hospital, que preferiu o anonimato. “É simples, o documento fala para a Santa Casa justamente não repetir o que foi feito na administração de Esacheu Nascimento, que foi o excesso de contratações de terceirizados”, explica.

Para ele, Esacheu fez uso político da administração à frente da Santa Casa. “Tanto que ele entrega cartão com a logo do hospital nas costas, falando que qualquer coisa pode falar com ele”, denuncia.

(Candidato estaria supostamente Santa Casa para ganhar votos / Foto: Repórter Top)

MAIS PROCESSOS
Outro a apontar graves denúncias contra a gestão do hoje candidato é o médico Ronaldo Costa, militante da Saúde de Campo Grande. “É uma entidade filantrópica, que usa esses benefícios, como isenção de FGTS e IR, e terceiriza para empresas com fins lucrativos, que faturam lucro sem arrecadar impostos, e não contrata ninguém”.

Costa ainda completa: "a Santa Casa recebe verba para atender 695 leitos todo dia, mas não ocupa mais de 400, é uma apropriação indébita". O médico é outro que denunciou e acompanha processos no Ministério Público Estadual e Federal.

Também na Câmara Municipal de Campo Grande, Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou a situação do hospital apontou problemas na gestão Esacheu. Como aponta parecer emitido pelo presidente da CPI, vereador delegado Wellington:

“É sabido que se trata apenas de uma questão de tempo para que seja realizado o pedido de falência por algum credor, tendo em vista a situação de calamidade orçamentária que a Santa Casa de Campo Grande comporta, com um déficit superior a R$ 291 milhões”.

E segue: ‘portanto, para que possa haver um reequilibro aos cofres da Instituição, far-se-á necessário por parte do administrador eliminar os gastos excessivos. Um ótimo ponto de partida seria a reanálise da diferença entre os anos de 2017 a 2018, que foi palco de um aumento de R$13 milhões nos serviços prestados por terceiros, bem como, renegociar as suas dívidas de modo a diminuir ou extinguir a incidência de juros e demais tarifas inclusas na mora do pagamento. [...] Por fim, constatada a desídia da ABCG e a má gestão administrativa aparente’.

OUTRO LADO

A reportagem questionou o ex-presidente da Santa Casa sobre as denúncias, e recebeu uma nota oficial da assessoria de imprensa, reproduzida na íntegra aqui: 'O candidato a prefeito Esacheu Nascimento afirma que são infundadas e pífias as supostas denúncias relacionadas ao período em que foi presidente da Santa Casa de Campo Grande. 

É público e notório que os autores dessas acusações são ex-associados que tiveram má conduta perante a Santa Casa e seus membros e, por isso, sofreram as consequências legais e acabaram ou excluídos dos quadros da entidade, ou renunciando às suas funções.

As dívidas atuais da Santa Casa foram herdadas da gestão pública que interveio no hospital de 2005 a 2013. Novos empréstimos foram contraídos para rolagem dessas dívidas - fossem para pagar 13º salário dos funcionários, ou para compra de medicamentos e materiais. Isso se deve ao reconhecido déficit entre o valor pago pela prefeitura e o que é gasto pelo hospital para atender os pacientes. Ademais, informações sobre a contabilidade do hospital devem ser obtidas junto à Santa Casa que, aliás, já prestou esclarecimentos publicos por meio da mídia.

O que se quer encobrir da população com informações distorcidas é que a Santa Casa dobrou a quantidade de atendimentos e cirurgias realizadas nos últimos quatro anos. Somente em 2019, foram realizados 1,4 milhão de atendimentos, com destaque para 94 mil atendimentos de urgência e emergência, 3 mil partos na maternidade, 43 mil cirurgias e 86,4 mil exames laboratoriais. 

Quanto à acusação de que o candidato estaria usando a Santa Casa como fundo de campanha, trata-se de um direito de quem tem o crédito de uma gestão profícua em favor do hospital e da população, durante os últimos quatro anos, de forma voluntária e graciosa'.

Leia Também

Conhecido por ações sociais e defesa da cultura, Crys Sanfona tenta carreira na política
Cidade Morena
Conhecido por ações sociais e defesa da cultura, Crys Sanfona tenta carreira na política
Anjo que salva, Ravi terá órgãos doados em Campo Grande
In Memoriam
Anjo que salva, Ravi terá órgãos doados em Campo Grande
Após ser atropelado e ficar ferido na margem de rodovia, filhote de cervo é resgatado pela PMA
Polícia
Após ser atropelado e ficar ferido na margem de rodovia, filhote de cervo é resgatado pela PMA
'Tem gente que é expert em tentar destruir o governo', diz Eduardo Bolsonaro
Geral
'Tem gente que é expert em tentar destruir o governo', diz Eduardo Bolsonaro