Menu
quinta, 01 de outubro de 2020
Política

Deputados criam comissão para ajudar negociação salarial entre servidores e governo

O plenário estava lotado de servidores, que trouxeram cartazes para protestar sobre a retirada do abono salarial

25 abril 2019 - 13h05Por ALMS

A Assembleia Legislativa intermediará conversa entre os servidores estaduais de diversas categorias e o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, quanto à negociação salarial, tendo em vista que em breve o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) deve enviar o projeto do percentual de reajuste, pela chegada da data base.

A decisão foi tomada durante sessão plenária desta quinta-feira (25), com a criação de uma comissão de deputados, após pedido do Fórum de Servidores.

Farão parte da comissão os deputados: Cabo Almi (PT) e Lidio Lopes (PATRI), como titulares do Bloco G9, sendo Pedro Kemp (PT) e Jamilson Name (PDT) suplentes; representando o Bloco G10 foram indicados como titulares os deputados Gerson Claro (PP) e Capitão Contar (PSL), sendo Lucas de Lima (SD) e João Henrique (PR) suplentes; e ainda o deputado Professor Rinaldo (PSDB) como titular do Bloco do PSDB, com Felipe Orro (PSDB) na suplência.

Representando os servidores, Alexandre Bueno discursou sobre a desigualdade na gestão estadual de gastos públicos em relação ao pagamento de servidores. “Para o salário do governador foi aprovado um aumento de 16.38%. O salário do governador de R$ 30.400,00 aumentou para R$ 35.400,00, o dos secretários subiram de R$ 24.000,00 para 28.000,00. E nós estamos aqui hoje discutindo para não retirarem R$ 100 ou R$ 200 dos nossos pagamentos”, comparou Bueno, pedindo ainda acompanhamento mais rígido das comissões que acompanham a Lei Orçamentária Anual (LOA).

 Foto: Luciana Nassar 

Para Bueno, o Estado tem arrecadado o suficiente para garantir os direitos pleiteados. “No primeiro bimestre já arrecadamos 25% da previsão de arrecadação conforme a LOA. Um aumento de 3.74% em comparação com a arrecadação de 2018. Uma média de mais de R$ 46 milhões por mês em 2019”.

Bueno ainda comentou o aumento do número de comissionados. “De outubro a dezembro, o governo aumentou os cargos de comissionados. Por que não pode dar aumento para as categorias e pode continuar contratando?”, questionou o servidor ao ocupar a tribuna.

Segundo Bueno, têm servidores efetivos ganhando menos que cargos comissionados. “O aumento da folha de comissionado gira em torno 40% de outubro pra cá. A incorporação do abono ao salário custaria R$ 6 milhões para o Estado e dizem que não é possível, mas aumentar R$ 9 milhões para os altos salários foi possível. Sendo que quem toca a máquina do governo somos nós. Nós somos quem tocamos a Saúde, a Segurança”, argumentou o representante pedindo diálogo com os deputados e apoio à causa dos trabalhadores estaduais.

O plenário estava lotado de servidores, que trouxeram cartazes para protestar sobre a retirada do abono salarial. O presidente da Casa de Leis, deputado Paulo Corrêa (PSDB) pediu a compreensão de todos. “Nosso intuito é colaborar com as negociações e chegar a um consenso, mas precisamos ter calma”, afirmou.

 Foto: Luciana Nassar 

O líder do Governo na Casa de Leis, deputado Barbosinha (DEM) disse que as portas estão abertas para a discussão. “Estaremos sempre à disposição para ouvir os servidores, assim como abertos para o diálogo com o Governo, principalmente para àqueles que recebem os menores salários. Vamos aguardar as reuniões”, ressaltou o deputado.

Os membros da nova comissão se reuniram na sala da presidência, na sequência da sessão. Lá os servidores reforçaram o pedido para a que o abono não seja retirado e, se possível, ainda seja incorporado ao salário base e marcaram reunião com o Governo do Estado, para a tarde de hoje. 

Leia Também

Iguana vai parar em prateleira de loja e só PMA para resgatar
Interior
Iguana vai parar em prateleira de loja e só PMA para resgatar
COMEÇOU A GUERRA: PP pede impugnação de Harfouche
Política
COMEÇOU A GUERRA: PP pede impugnação de Harfouche
Enfermeiro se comove ao ver cão lutar para ficar com dono internado em Anastácio
Interior
Enfermeiro se comove ao ver cão lutar para ficar com dono internado em Anastácio
Gravíssimo: Brasil tem 1.031 mortes por covid em 24 horas, com total de 143 mil
Geral
Gravíssimo: Brasil tem 1.031 mortes por covid em 24 horas, com total de 143 mil