Menu
segunda, 21 de setembro de 2020
Política

Desmentido por Bolsonaro, Bebianno diz que não vai deixar o cargo

Ministro disse ter conversado com presidente por três vezes sobre as denúncias de que o PSL usou laranjas para desviar dinheiro do fundo eleitoral

14 fevereiro 2019 - 08h53Por Da redação / Isto É

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, afirmou à GloboNews na noite desta quarta-feira, 13, que não tem intenção de se demitir do cargo após ser desmentido publicamente por Jair Bolsonaro e pelo filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

“Não tenho essa intenção porque não fiz nada de errado. Meu trabalho continua sendo em benefício do Brasil. O presidente, se entender que eu não deva mais continuar, ele certamente vai me comunicar. Mas tenho que minha relação com ele sempre foi a melhor possível, da minha parte tudo foi feito com honestidade e correção. Vamos esperar para ver o que acontece”, declarou Bebianno à emissora.

Mais cedo, Carlos Bolsonaro usou o Twitter para desmentir Bebianno, que dissera ter conversado três vezes com o presidente por telefone sobre as denúncias de que o PSL colocou laranjas como candidatas para desviar dinheiro do fundo eleitoral na eleição do ano passado. À época, Bebianno presidia o PSL. A intenção do ministro com a declaração era mostrar que não havia crise instalada no governo por causa do caso, revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

A postagem de Carlos dizendo que Bebianno havia dito uma “mentira absoluta” foi posteriormente compartilhada por Jair Bolsonaro. Ainda na noite desta quarta-feira, o presidente confirmou à RecordTVque o ministro mentiu sobre o contato e afirmou que, caso seja comprovado o envolvimento de Bebianno no esquema, o destino dele será “voltar às suas origens”.

À Globonews, Bebianno negou ter mentido sobre ter falado com Bolsonaro. “Mantive contatos com o presidente, como eu já disse. Tratamos de um assunto institucional e de um outro assunto relacionado à viagem que seria feita ao Pará. (…) Contato houve, houve troca de contato por WhatsApp, alguns poucos áudios.”

Bebianno disse ainda que recebeu as notícias sobre as postagens nas redes sociais com “certa tristeza e perplexidade” e que não entrará na discussão com Carlos. “Enquanto ministro de Estado, vou manter a minha postura e liturgia inerente à função. Eu não comento esse tipo de coisa.”

Sobre a acusação de repasse a uma candidata laranja do PSL na última eleição, enquanto Bebianno era presidente do partido, o ministro negou irregularidades e afirmou que seria “humanamente impossível” saber se determinado candidato do partido teria condições de se eleger ou não.

Leia Também

Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Interior
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Geral
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Laudo diz que fígado de menino de 4 anos 'explodiu' após surra da madrasta
Geral
Laudo diz que fígado de menino de 4 anos 'explodiu' após surra da madrasta
Puccinelli 'nega fogo no parquinho' e diz que Twitter sugerindo candidatura foi hackeado
Política
Puccinelli 'nega fogo no parquinho' e diz que Twitter sugerindo candidatura foi hackeado