Menu
Busca domingo, 15 de dezembro de 2019
Política

Globo lê nota de repúdio após Bolsonaro dizer que Miriam Leitão era terrorista

Primeiro texto foi apresentado no Jornal Nacional, por Renata Vasconcellos

20 julho 2019 - 10h34Por Thiago de Souza

O Grupo Globo se manifestou, na noite desta sexta-feira (19), em relação às declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que em entrevista para jornalistas estrangeiros disse que a jornalista Miriam Leitão mentiu sobre tortura no regime militar. 

No Jornal Nacional e em outros veículos do grupo, foi lida uma nota onde a emissora enaltece a jornalista e critica Jair Bolsonaro. 

A polêmica começou quando Bolsonaro dava entrevista a jornalistas estrangeiros e foi perguntado o que achava de manifestações de repúdio feitas à jornalista para que ela não participasse de uma feira literária em Jaraguá do Sul (SC). 

Primeiro, o presidente respondeu que sempre foi a favor da liberdade de imprensa e que críticas devem ser aceitas em uma democracia, mas depois afirmou que Miriam foi presa, quando estava indo para a Guerrilha do Araguaia, para tentar impor uma ditatura no Brasil, e repetiu duas vezes, que ela mentiu sobre ter sido torturada e vítima de abuso em instalações militares durante a ditadura.

O texto lido no Jornal Nacional foi bastante contundente, tanto na defesa de Miriam quando nas críticas a Bolsonaro. 

"Miriam nunca participou ou quis participar da luta armada. À época militante do PCdoB, ela atuou em atividades de propaganda. Ela foi presa e torturada, grávida, aos dezenove anos, quando estava detida 38ª batalhão de infantaria, em Vitória", continuou.

"No auge da ditadura de 64, em 1963, Miriam denunciou a tortura perante a primeira auditoria da aeronáutica no Rio, enfrentando todos os riscos que isso representava na época. Narrou seu sofrimento aos militares e ao auditor. E esse relato consta nos autos para quem quiser pesquisar. A jornalista foi julgada e absolvida de todas as acusações atribuídas a ela na ditadura. A absolvição se deu em todas as instâncias".


Para finalizar o comunicado da emissora, diz o Portal IG, Renata Vasconcellos leu: "Esses insultos apenas mostram a maior das virtudes de Miriam Leitão como profssional: a independência em relação a governos, sejam de esquerda ou de direita ou de qualquer tipo. A Globo aplaude essa independência e se solidariza com Miriam".