Menu
terça, 24 de novembro de 2020
QUER SER PREFEITO

Erro médico: mãe culpa dr. Gabriel pela morte do filho em Corumbá

Mulheres recorrem na Justiça contra candidato por erro médico

11 novembro 2020 - 07h00Por Vinícius Squinelo

O médico Gabriel Alves de Oliveira (PSD), que disputa corrida eleitoral pela Prefeitura de Corumbá e que tem como uma de suas principais bandeiras de campanha a Saúde, responde processos por erros médicos na Justiça de Mato Grosso do Sul. Um desses erros teria resultado na morte de um bebê durante a gestação e traumatizado a mãe da criança.

Entre os anos de 2018 e 2019, Gabriel realizou o pré-natal de uma gestante em Corumbá. No relato, a vítima conta que iniciou o pré-natal com outro médico, mas que precisou trocar de profissional e que dr. Gabriel começou a acompanhá-la aos seis meses de gestação.

A defesa da mãe alega que “durante todo o pré-natal, nenhuma alteração ou recomendação fora diagnosticado pelos médicos que a atenderam, toda a gestação transcorreu normalmente, seu bebê se encontrava saudável, crescendo e se desenvolvendo perfeitamente sendo que a gravidez alegrava e contagiava a todos”.

Em 10 de março de 2019, já aos nove meses de gestação, a mulher começou a sentir fortes dores, sangramentos e corrimento de líquido. Ao buscar atendimento com seu médico, foi constatada a alta pressão da paciente e apenas medicada, tento a vítima sido liberada para se tratar sozinha em casa, mesmo com quadro clínico grave. 

O medicamento, Nitrofurantoína, prescrito por dr. Gabriel para que a vítima suportasse a dor que sentia na gestação, não é recomendado pela própria fabricante, em bula, para mulheres no final da gravidez e tem uma função diferente do que o tratamento indicado pelo médico, sendo usado para combater infecções urinárias agudas e crônicas.

Mesmo relatando a continuidade de dores insuportáveis, dr. Gabriel afirmou que não iria avaliar a paciente. Com isso, o casal procurou novamente o médico, que iniciou o atendimento de pré-natal pedindo ajuda. Porém, era tarde para a criança. 

O médico constatou a alta pressão da paciente e que o bebê não estava mais vivo. O profissional então realizou cirurgia para a retirada do feto, pois a mulher também corria risco de morte. “O bebê estava pronto pra nascer, era um bebezão, possivelmente, o bebê faleceu na madrugada de quarta para quinta ou durante a manhã de quinta (14/03/2019 dias após o atendimento de dr. Gabriel)”, comentou o médico que realizou o procedimento.

Na certidão de óbito da criança, o motivo da morte foi “Asfixia Fetal Intra Útero, Circular do Cordão e Oligohidrâmnio”, o que para a família não deixa dúvida do erro médio de dr. Gabriel por negligência e por não ter atendido os pedidos de socorro da mãe.

MAIS ERROS

Atualmente, este não é o único processo que o candidato responde por erro médico. Ele foi acusado por outra mulher, que mora em Ladário, por uma “falsa” cirurgia em sua mama. Em 2017, a mulher foi diagnosticada com um nódulo no seio esquerdo de 1,7 x 1,1 cm e realizou um procedimento para a sua retirada em outubro com dr. Gabriel.

Porém, meses depois, a paciente continuou relatando dores na região e, ao procurar dr. Gabriel, o mesmo teria informado que as dores eram comuns. Com as dores persistindo, a mulher procurou atendimento com outro médico, que constatou que o nódulo não só continuava na mama como havia triplicado de tamanho.

Para a defesa, “percebe-se nitidamente a conduta lesiva de total negligência, imprudência e imperícia do Réu (dr. Gabriel), o qual deixou de prestar a atenção devida, o mesmo não chegou a retirar o nódulo, apenas abriu a mama esquerda da Autora (paciente) e fechou sem informar a Autora os motivos pelos quais não retirou o nódulo”.

Nas Justiças, as vítimas lutam para que o médico seja responsabilizado pelas graves lesões as pacientes. O processo segue em fase de recursos.

Leia Também

Polícia fecha bar usado para tráfico de cocaína no Santa Luzia
Polícia
Polícia fecha bar usado para tráfico de cocaína no Santa Luzia
Chamados de macacos: após ataques, secretário ressalta capacitação da Guarda Civil
Polícia
Chamados de macacos: após ataques, secretário ressalta capacitação da Guarda Civil
Deputado faz alerta sobre 2ª onda da Covid-19 em MS
Política
Deputado faz alerta sobre 2ª onda da Covid-19 em MS
Trabalhador é esmagado por caminhão e morre na hora
Cidade Morena
Trabalhador é esmagado por caminhão e morre na hora