Menu
sábado, 08 de agosto de 2020
Linha de frente - compet
Política

Relator pede mais tempo, e STJ adia julgamento do recurso de Pimentel

Governador quer que deputados decidam sobre abertura de ação penal

17 agosto 2016 - 13h16Por O Globo

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) adiou nesta quarta-feira (17), após o terceiro pedido de vista (mais tempo para analisar o caso), o julgamento de recurso que discute se há necessidade de a Assembleia Legislativa de Minas Gerais autorizar a abertura de ação penal contra o governador mineiro Fernando Pimentel. Não há data para a ação voltar a ser analisada pelo tribunal.

Quatro ministros da Corte Especial chegaram a votar nesta quarta, mas o novo adiamento ocorreu depois de o próprio relator do caso, ministro Herman Benjamin, solicitar mais tempo para analisar o processo.

Pimentel foi denunciado na Operação Acrônimo sob suspeita de ter solicitado e recebido vantagem indevida em 2003 para atender a interesses do grupo privado Caoa. Entre outras questões, a denúncia se baseou na delação premiada de Benedito Oliveira, o Bené, que disse que o valor da propina recebida por Pimentel foi de R$ 20 milhões. Uma nova fase da Acrônimo, envolvendo apurações ligadas a Pimentel, foi realizada nesta semana.

No dia 15 de junho, o ministro Herman Benjamin votou e considerou que não há necessidade de aval, mas que o governador não deve ser afastado do cargo automaticamente caso haja abertura do processo - para ele, a suspensão da função só pode ocorrer por decisão judicial, ou seja, do STJ. Ele foi acompanhado pelo ministo Og Fernandes.

Naquela data, o ministro Luís Felipe Salomão pediu vista do processo, que foi retomado somente em 3 de agosto. O ministro divergiu do relator e votou para que o recebimento da denúncia pelo STJ seja analisado antes pela Assembleia Legislativa mineira. Seu entendimento, segundo ele, se baseia em decisões de casos semelhantes submetidos aoSupremo Tribunal Federal.

Para Salomão, caso a denúncia seja recebida pelo STJ, Fernando Pimentel também tem que ser afastado automaticamente do cargo. O entendimento do relator é justamente o contrário: de que não há afastamento automático, somente por decisão judicial.

Após a leitura do voto de Salomão, foi a vez do ministro Napoleão Nunes Maia Filho pedir mais tempo para analisar o caso. Nesta quarta (17), Napoleão Nunes Maia Filho acompanhou Salomão, somando dois votos divergentes.

Depois, votaram as ministras Nancy Andrighi, Laurita Vaz e Maria Theresa de Assis Moura, acompanhando o relator e Og Fernandes - somando cinco votos para a tese de que a Assembleia não precisa autorizar, mas não há afastamento automático.

A Corte Especial é composta pelos 15 ministros mais antigos do tribunal e julga as ações penais contra governadores e outras autoridades.

 

Leia Também

Imaginação: sem amiguinhos da escola, festa de aniversário ganha convidados de vários reinos
Algo mais
Imaginação: sem amiguinhos da escola, festa de aniversário ganha convidados de vários reinos
Campeonato Paulista: Palmeiras ganha título do Corinthians nos pênaltis
Geral
Campeonato Paulista: Palmeiras ganha título do Corinthians nos pênaltis
Obras de recapeamento continuaram neste sábado na Capital
Cidade Morena
Obras de recapeamento continuaram neste sábado na Capital
Lembra deles? The Fevers celebram Dia dos Pais em live hoje
Geral
Lembra deles? The Fevers celebram Dia dos Pais em live hoje