Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Política

VÍDEO: Simone fala sobre armamento e Coaf e aponta que Senado foi compreensível com presidente

"Nós compreendemos a situação do presidente, agora ele precisa entender a nossa”, disse a senadora

28 maio 2019 - 17h00Por Nathalia Pelzl e Celso Bejarano, de Brasília

A senadora sul-mato-grossense Simone Tebet (MDB), que preside a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa,  falou à imprensa na tarde desta terça-feira (28), em seu gabinete, em Brasília, sobre o Coaf (Controle de Atividades Financeiras). Com o votos da maioria dos parlamentares na Câmara Federal, na semana passada, o órgão fiscalizador fica sob o domínio do ministério da Economia. Ela dá a impressão que tem também acerca da lei anticrime, proposta pelo ministro Sérgio Moro (Justiça). O Senado tentar reverter a votação dos deputados federais.

Segundo ela, essas são as principais pautas para a próxima reunião da CCJ, colegiado o qual preside, onde será lido o relatório do Projeto de Lei que discute a constitucionalidade e legalidade do decreto de Jair Bolsonaro com relação ao porte de armas.

“Nós vamos ter um relatório provavelmente favorável ao decreto, portanto contra o projeto que susta o decreto, mas nós vamos ter votos separados. Vamos dar vista de uma semana e depois na semana seguinte estaremos votando pela suspenção ou não do decreto do porte de armas do presidente Jair Bolsonaro”, pontuou.

Sobre o COAF, a senadora destacou que a questão vai ser debatida e esclarecida no Senado. Ela destacou que o Governo teria feito sua própria ‘cama de gato’.

“O governo não esperava que nas manifestações tivesse um pedido tão forte do COAF ir para o Ministério da Economia, em função do tempo o governo ficou em uma encruzilhada. Ele não tinha saída a não ser pedir isso pro Senado. Já pensou essa medida ir para a Câmara e caducar por falta de tempo, já que o prazo dela é até semana que vem?”.

Além disto, para Simone é "elementar" que o governo consiga aprovar sua organização administrativa. E destacou que seria desvantagem para o governo mandar a questão para Câmara

“Seria uma desmoralização muito grande para o presidente da república, eu não conheço um governo que não tenha conseguido aprovar sua organização administrativa, isso é elementar. Isso mostraria uma fraqueza muito grande. Nós compreendemos a situação do presidente, agora ele precisa entender a nossa”, finalizou.

Deve ser discutida também a questão da criminalização da homofobia, aprovada na semana passada por voto da maioria dos ministros.

 

Leia Também

Pai que roubou doações para filho com doença rara ganha prisão domiciliar
Geral
Pai que roubou doações para filho com doença rara ganha prisão domiciliar
Pilantra: mulher finge estupro para ganhar seguidores em redes sociais
Geral
Pilantra: mulher finge estupro para ganhar seguidores em redes sociais
Covid-19 mata mais 869 brasileiros em 24 horas, lamenta Ministério da Saúde
Geral
Covid-19 mata mais 869 brasileiros em 24 horas, lamenta Ministério da Saúde
Ladrão com faca invade casa de madrugada e morador 'mete bala' no Tijuca
Polícia
Ladrão com faca invade casa de madrugada e morador 'mete bala' no Tijuca