Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Política

Vontade de Bolsonaro, a de manter o Coaf com Moro, é testada no Senado

Semana passada, Câmara dos Deputados derrubou medida imposta pelo presidente em janeiro passado

28 maio 2019 - 14h37Por Celso Bejarano, de Brasília

Decisão da semana passada da Câmara dos Deputados que negou que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) fique sob o comando do Ministério da Justiça, pasta chefiada por Sérgio Moro, será analisada na tarde desta terça-feira (28) pelo Senado. Há a possibilidade de o parecer ser revertido, como quer o governo de Jair Bolsonaro. Contudo, ainda assim a Medida Provisória 870, da reforma administrativa, retorna para a Câmara e ali a questão será definida, mesmo contrariando a votação dos senadores

A vontade do presidente, manifestada nas ruas no domingo (26), agora será testada no Senado.

Os três senadores de Mato Grosso do Sul – Simone Tebet (MDB), Soraya Thronicke (PSL) e Nelsinho Trad (PSD) –, ao menos diante de suas recentes declarações, deve optar pela permanência do Coaf sob o domínio de Sérgio Moro.

O Coaf, que cuida das movimentações financeiras tidas como suspeitas, até dezembro passado, era ligado ao Ministério da Economia. Na troca do presidente, por vontade de Bolsonaro, houve a troca e o Conselho passou a ser cuidado pelo Ministério da Justiça.

Contudo, assim que a mudança foi examinada pela Câmara dos Deputados, os parlamentares resolveram manter o Coaf na Economia.

O Coaf é apenas um dos destaques da MP em questão. Saiba mais sobre a medida:

A presente Medida Provisória estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios, definindo suas competências e sua estrutura básica. Prevê que o detalhamento da organização dos órgãos será definido por meio de decretos de estrutura regimental e que a vinculação das entidades aos órgãos da administração pública federal será estabelecida por Ato do Poder Executivo federal.

Define que integram a Presidência da República os seguintes órgãos: Casa Civil; Secretaria de Governo; Secretaria-Geral; Gabinete Pessoal do Presidente da República; Gabinete de Segurança Institucional; Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais; Conselho de Governo; Conselho Nacional de Política Energética; Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República; Advogado-Geral da União; Assessoria Especial do Presidente da República; Conselho da República; e Conselho de Defesa Nacional.

Define que a organização ministerial passa a ser composta pelos seguintes Ministérios: da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; da Cidadania; da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; da Defesa; do Desenvolvimento Regional; da Economia; da Educação; da Infraestrutura; da Justiça e Segurança Pública; do Meio Ambiente; de Minas e Energia; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; das Relações Exteriores; da Saúde; do Turismo; e Controladoria-Geral da União. Concede status de Ministro de Estado, além de para os titulares dos Ministérios, aos ocupantes dos seguintes cargos: Chefe da Casa Civil da Presidência da República; Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República; Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República; Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Advogado-Geral da União; e Presidente do Banco Central do Brasil. Promove transformação de cargos, funções comissionadas e órgãos e cria Secretarias. Transfere competências, acervo patrimonial e redistribui pessoal.

Altera ou revoga dispositivos das seguintes Leis: Lei nº 13.334, de 13 de setembro de 2016 (Programa de Parcerias de Investimentos); Lei nº 9.069, de 29 de junho de 1995 (Conselho Monetário Nacional); Lei nº 11.457, de 16 de março de 2007 (Receita Federal); Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000 (ANA); Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997 (Conselho Nacional de Recursos Hídricos); Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990 (Compensação Financeira); Lei nº 11.952, de 25 de junho de 2009 (Incra); Lei nº 10.599, de 13 de novembro de 2002 (Comissão de Anistia); Lei nº 11.440, de 29 de dezembro de 2006 (Serviço Exterior Brasileiro); Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998 (COAF); Lei nº 11.473, de 10 de maio de 2017 (Cooperação federativa de segurança pública); Lei nº 13.346, de 10 de outubro de 2016 (funções comissionadas); Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001 (CONIT); Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006 (CONSEA).

Revoga a Lei nº 13.502, de 1º de novembro de 2017, que estabelecia anteriormente a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios.

Revoga dispositivos da Medida Provisória nº 849, de 31 de agosto de 2018, que “posterga e cancela aumentos remuneratórios de pessoal civil da administração pública federal para exercícios subsequentes”.

A MP 870 tem até o dia 3 de junho para ser aprovada. Do contrário, a reforma proposta por Bolsonaro deve ser esquecida e a gestão administrativa do governo federal volta a funcionar como era no período do presidente Michel Temer (MDB). Ou seja, o Coaf sob o domínio do Ministério da Economia, por exemplo.

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões