tCE COVID 19 18 A 16/05
Menu
Busca terça, 26 de maio de 2020
camara municipal
Top Esporte

Flamenguista que viajou até o Rio para ver semifinal passa mal e morre na praia

Rapaz tinha 26 anos e comeu camarão pela primeira vez na vida; amigos venderam ingressos na porta do estádio e conseguiram R$ 3 mil para doar à família

24 outubro 2019 - 09h40Por Luis Abraham

Um torcedor do Flamengo tomou um ônibus em Mogi Mirim, São Paulo, rumo ao Rio de Janeiro para realizar o sonho de ver o time do coração e conhecer o Maracanã passou mal e morreu na praia, nesta quarta-feira (23), horas antes da semifinal da Copa Libertadores entre a equipe carioca e o Grêmio.

De acordo com informações do Globo Esporte, Diego Fernandes, de 26 anos, estava com amigos e passou mal após comer camarão na praia de Copacabana pela primeira vez. Ele foi socorrido e morreu no hospital. Segundo Leonardo Alves, de 37 anos, o amigo era apaixonado por futebol e deixa mulher e uma filha pequena.

“O Diego sempre teve o sonho de conhecer o Maraca e nunca dava certo. Estava todo mundo feliz, era uma expectativa muito grande. Agora, acabou o mundo pra nós”, disse Alves.

O grupo embarcou de volta ao interior de São Paulo no começo da noite, após os trâmites com o serviço funerário, conseguiu vender os ingressos e irá doar o dinheiro arrecadado para ajudar a família de Diego. "Pagamos R$ 230 cada ingresso, e conseguimos R$ 3 mil para a famílila", contou.

Sonho

Diego era carioca e morava no interior de São Paulo há mais de 20 anos, Leonardo contou que ele, Diego e outros quatro amigos de Mogi Mirim se organizaram para realizar o sonho de ver o rubro-negro no Maracanã depois de anos de expectativa.

“Assim que o time chegou na semifinal, combinamos de ir. Meu irmão, que mora no Rio, arrumou os ingressos. Embarcamos às 9h da noite de terça, e até fizemos uma oração antes de embarcar para abençoar a viagem. Chegamos ao Rio às 5h, tomamos café na rodoviária e esperamos o dia clarear para ir pra praia. Nossa programação era chegar na porta do Maracanã depois do meio-dia, para já sentir o clima”, relata.

Na praia, o grupo alugou algumas cadeiras e resolveu comer espetinhos de camarão. “O Diego falou que nunca tinha comido camarão. Falei pra ele experimentar. Ele comeu só dois. Depois de quatro minutos, a voz dele já tinha mudado. Ele falou que a garganta estava formigando, e dois amigos nossos foram com ele procurar uma farmácia. O Diego nem chegou a atravessar a avenida em Copacabana. Acabou desmaiando”, explica.

O desespero tomou conta do grupo, que foi cercado por curiosos, mas não conseguiu uma ambulância. Um vendedor de peixe ofereceu ajuda, e parte dos amigos subiu no baú do caminhão para levá-lo ao hospital.

“Chegamos na porta do Hospital Copa Star, e a equipe logo atendeu ele. Prestaram os primeiros socorros, levaram para a UTI, mas foi tudo muito rápido. Foi um clima muito tenso, eles fizeram o que podiam, mas ele morreu”, lamentou. Uma funerária de Mogi Mirim está a caminho do Rio de Janeiro para fazer o traslado do corpo do rapaz, ainda não há informações sobre o horário do velório e enterro.

Futebol amador

Diego era uma figura conhecida no futebol amador de Mogi Mirim e diversos times da cidade prestaram homenagem nas redes sociais: "hoje perdemos um grande ícone do amador de Mogi Mirim", escreveu o Atletico Mogi. Ele tinha o apelido de Shrek.

A notícia da morte de Diego repercutiu na cidade. Everton Bombarda contou que o jovem era muito querido e tinha muitos amigos. “Momento muito difícil. Era um menino bom, ótimo filho, marido e pai, trabalhador. Infelizmente uma fatalidade. Era fanático pelo Flamengo”, disse Bombarda.

Leia Também

Bolsonaro proíbe Mandetta de trabalhar por seis meses: 'Estou abismado'
Geral
Bolsonaro proíbe Mandetta de trabalhar por seis meses: 'Estou abismado'
Investigação diz que Witzel está no topo de estrutura que fraudou contratos no Rio
Geral
Investigação diz que Witzel está no topo de estrutura que fraudou contratos no Rio
Bolsonaro acusa jornais de vitimismo ao abandonarem cobertura no Alvorada
Geral
Bolsonaro acusa jornais de vitimismo ao abandonarem cobertura no Alvorada
DESESPERADOR: Brasil tem 24.512 mortes pela covid e outros 3.883 óbitos são investigados
Geral
DESESPERADOR: Brasil tem 24.512 mortes pela covid e outros 3.883 óbitos são investigados