TJMS JANEIRO
Menu
quinta, 20 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Top Esporte

Guto reconhece falhas e vê vaga aberta: 'Difícil, mas não impossível'

22 outubro 2015 - 07h38Por Globo Esporte

O terceiro duelo internacional da história da Chapecoense não foi como torcedores, jogadores e comissão técnica esperavam. Diante de mais de 50 mil pessoas nas arquibancadas do estádio Monumental de Núñez, em Buenos Aires, na noite desta quarta-feira, o Verdão do Oeste não suportou a pressão do River Plate e perdeu por 3 a 1. Para o técnico Guto Ferreira, no confronto válido pelas quartas de final da Copa Sul-Americana, o time argentino aproveitou as oportunidades que teve em cima dos erros que a equipe catarinense cometeu em campo.

- O erro final acabou com a gente levando um resultado mais difícil de ser tirado, mas não impossível. E, de repente, não refletindo todo o esforço. O primeiro tempo, do meio para o final, e até o segundo gol, a Chapecoense estava melhor na partida. Acho que no futebol não existe sorte e azar, existe competência. O River foi competente nas oportunidades que teve em cima de erros que a Chapecoense cometeu - analisou o treinador.

Em Santa Catarina, os comandados de Guto Ferreira precisam agora de dois gols de diferença para avançar à semifinal. A decisão está marcada para a próxima quarta-feira, às 22h, na Arena Condá. Antes disso, porém, o Verdão do Oeste tem um compromisso importante na Série A. No domingo, às 17h, recebe o Avaí. No meio de tantos desafios, Guto lamenta a sequência e a compara com o fim de semana tranquilo que o adversário argentino terá antes do jogo da volta.

- Foi um jogo desgastante em cima de dois jogos extremamente desgastantes, contra Vasco e Grêmio. Os 10 dias de viagem se encerram na sexta de madrugada, quando chegamos em Chapecó. No domingo, jogamos o clássico. Na quarta, retornamos para o campo para jogar os outros 90 minutos dessa partida de 180, contra um River que vai estar descansado, pois não há rodada devido às eleições na Argentina. Então é uma situação bastante difícil nesse momento. Até porque os jogadores não são máquinas - finalizou.