Menu
Busca domingo, 05 de julho de 2020
MS DIGITAL - COMPET
Top Esporte

Voo para história! Ricardo Costa leva o ouro no salto em distância para cegos

Irmão de Silvânia Costa, campeã mundial da mesma prova, sul-mato-grossense vence o americano Lex Gillette no último salto e enlouquece torcida no Estádio Olímpico

09 setembro 2016 - 10h59Por Globo Esporte

Pulo no escuro e para história. Ricardo Costa é o primeiro brasileiro a conquistar medalha de ouro nos Jogos Paralímpicos do Rio. Cego por conta da Doença de Stargardt, que causa perda da visão de forma degenerativa, o sul-mato-grossense de Três Lagoas se tornou campeão paralímpico do salto em distância T11 em prova cheia de emoção na manhã desta quinta-feira. Líder na maior parte do tempo, foi ultrapassado pelo americano Lex Gillete no penúltimo salto, mas manteve a frieza para fazer 6.52m na tentativa derradeira e liberar o barulho até então proibido para o torcedor presente no Estádio Olímpico. Ruslan Katyshev, da Ucrânia, ficou com o bronze.

A festa pelo ouro foi uma espécie de alívio para Ricardo e para os torcedores. Ao mesmo tempo em que tentavam incentivar com aplausos e gritos de incentivo, como "eu acredito" após o salto do americano que colocou o ouro em risco, o público precisou aprender a lidar com o silêncio necessário para concentração dos atletas sem visão. Já o novo campeão paralímpico leva para casa mais uma medalha para família Costa, que transformou a escuridão imposta pelo destino em ouro.   

Ricardo é irmão de Silvânia Costa, campeã mundial do salto em distância T11 no Mundial de Doha, no Qatar, em 2015, e que também competirá no Rio de Janeiro, no dia 16, sexta-feira. Ambos perderam a visão em decorrência da Doença de Stargadt, que atua de forma degenerativa. A dificuldade de recursos impediu um tratamento precoce, e ao ser diagnosticado, já com 14 anos, Ricardo já tinha a visão condenada. O esporte, entretanto, mudou sua perspectiva de vida. 

- Fiz da minha deficiência o meu melhor inimigo, que vai me acompanhar por tempo indeterminado. Não coloquei uma dificuldade. Aceitei e, a partir disso, as coisas vieram ao meu favor (...) Antes de conhecer o esporte, me via muito isolado. Não saia de casa, mas o esporte me trouxe para vida. Se eu estivesse no mercado de trabalho, talvez não conhecesse tantos países.   

Além de Silvânia, o primeiro medalhista de ouro do Brasil no Rio tem outro irmão cego. A sintonia com a caçula, entretanto, é o que o move nas pistas:   

- Lá em casa, sou eu e duas mulheres, mas sempre quis ter um irmão. A Silvânia, por ser a caçula, preencheu esse espaço. Somos muito unidos mesmo. Eu comecei primeiro no esporte, a convidei, e sempre nos ajudamos, nos incentivamos.

Liderança folga e muita emoção no fim

Durante a maior parte da manhã, a expectativa no Engenhão era de que Ricardo Costa ganhasse o ouro até com certa facilidade. Com 6.41m logo no segundo salto - tinha queimado o primeiro -, o brasileiro passou entre os oito que teriam seis tentativas com enorme folga na liderança: 21cm a mais que o ucraniano Katyshev - a partir do nono, a competição se encerrava no terceiro pulo. E assim permaneceu a competição até o quinto salto de Lex Gillette.   

Com pratas em Atenas 2004, Pequim 2008 e Londres 2012, o americano sequer tinha ultrapassado a casa dos 6m quando voou para 6.44m. Líder! Toda pressão nos ombros de Ricardo. No salto seguinte, o brasileiro melhorou sua marca, fez 6.43m, mas ainda não era suficiente. Faltava um mísero centímetro. E o público apostou no "eu acredito!" que fez sucesso na Olimpíada. De imediato, a organização pediu silêncio.   

Ao contrário do que aconteceu na disputa entre Thiago Braz e Renaud Lavillenie, dessa vez não houve vaia ou qualquer ato contra o rival do brasileiro. Gillette teve tranquilidade para saltar e marcar somente 5.93m. Pronto! Ricardo Costa já sabia o que fazer para recuperar o ouro. E fez. Concentrado, ouviu com atenção os chamados do guia e decolou para pousar 6.52m depois. Agora, pode gritar torcida brasileira: é ouro!

 

Leia Também

Após ser infectado e curado da covid-19, Alex propõe reflexão sobre cuidados contra doença
Algo mais
Após ser infectado e curado da covid-19, Alex propõe reflexão sobre cuidados contra doença
'Um amigo, um conselheiro', diz Délia sobre secretário assassinado em Dourados
In Memoriam
'Um amigo, um conselheiro', diz Délia sobre secretário assassinado em Dourados
TOQUE DE RECOLHER: Guarda acaba com festa de 100 pessoas e manda mais 275 para casa
Cidade Morena
TOQUE DE RECOLHER: Guarda acaba com festa de 100 pessoas e manda mais 275 para casa
VÍDEO: som 'rola solto' em conveniência e moradora denuncia aglomeração no Nova Lima
Cidade Morena
VÍDEO: som 'rola solto' em conveniência e moradora denuncia aglomeração no Nova Lima