(67) 99826-0686
Balanço PMCG fev

Assassino de Brunão pegou 17 anos de cadeia, mas tem vida fácil e saiu até para prova da OAB

Cristhiano Luna de Almeida cumpre pena em regime semiaberto em Campo Grande

29 JAN 2019
Thiago de Souza
15h00min
Foto: André de Abreu/Arquivo
IPVA GOV

Cristhiano Luna de Almeida, condenado inicialmente a 17 anos e seis meses de prisão por matar o segurança Brunão, em 2011, já cumpre pena em regime semiaberto, em Campo Grande. Ele obteve até licença para sair e fazer a prova da OAB/MS, em uma universidade particular, no dia 20 de dezembro.  

Depois da condenação, em novembro de 2017, Luna continuou preso, mas meses depois só teve vitórias na Justiça. Em maio de 2018, a defesa dele conseguiu, junto ao Tribunal de Justiça, reduzir a pena de 17 para 13 anos.

Em agosto do mesmo ano, Cristhiano conseguiu medida favorável no Supremo Tribunal Federal e foi posto em liberdade. A decisão do ministro Marco Aurélio Mello dizia que ele poderia recorrer da condenação em liberdade.

Embora não aparece decisão contrária no site do STF, Luna passou a cumprir o regime semiaberto. No dia 11 de janeiro deste ano, os advogados que o representam pediram à Justiça autorização para que ele pudesse frequentar a fase intensiva do curso preparatório para o exame da Ordem, que seria no dia 20.

A autorização foi dada pelo juiz Mário José Esbalqueiro Júnior que também se apoiou no parecer favorável do Ministério Público. Luna teve autorização para sair do regime semiaberto para fazer a prova, realizada em uma universidade.

''Nestes termos, autorizo o sentenciado a sair do estabelecimento penal de regime semiaberto 1 hora e 30 minutos antes do início da prova, para se dirigir até a Universidade [...] no dia 20/01/2019, para realização da 2ª Fase da Ordem dos Advogados do Brasil, devendo o reeducando retornar para o estabelecimento penal em até 1 hora e 30 minutos após a realização da prova'', escreveu Esbalqueiro.

Desde novembro, o condenado trabalha em uma empresa de contabilidade em Campo Grande, onde atua como auxiliar administrativo. 

Entramos em contato com a defesa de Cristhiano, mas não tivemos resposta.

Brunão foi assassinado a golpes de jiu-jitsu por Cristhiano Luna. (Foto: Reprodução Facebook) 

O crime

De acordo com o Ministério Público Estadual, em março de 2011, Luna estava em uma casa noturna, quando teria desrespeitado alguns garçons da casa. Ele foi advertido, mas teria insistido no mau comportamento, até ser retirado do local.

Christiano teria ficado irritado, e iniciou uma briga, já no lado de fora, com os seguranças da casa. Ele resistiu a imobilização dos seguranças, e acertou diversos golpes em Brunão, que não resistiu aos ferimentos e morreu minutos depois.

O crime foi tipificado como homicídio qualificado, por motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Veja também