tce janeiro
Menu
quinta, 27 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Campo Grande

Pai vê filho doente e critica Emei por não alertar sobre doença mão-pé-boca

Ele pediu para que pais não levem filhos em creches

01 dezembro 2021 - 11h00Por Thiago de Souza

Pai de um bebê de um ano e onze meses lamentou, nesta terça-feira (30), ver o filho infectado pela doença mão-pé-boca, em Campo Grande. Ele reclamou que direção de uma Emei não alertou sobre o surto na unidade. 

No Facebook, o internauta destacou que a direção da unidade sabia de vários alunos contaminados e não alertou demais pais para não mandarem os filhos para a creche. 

‘’A direção disse que meu filho era o único da sala que não havia pego ainda. Uma doença que pode levar a criança à internação’’, criticou o pai. 

Ao ver o filho cheio de manchas na pele, o morador fez um alerta: 

‘’Por favor, evitem levar suas crianças em creches e Ceinfs [Emeis]’’, enfatizou o rapaz. 

O pai destacou que não se trata de uma briga com a escola, apenas um alerta sobre o caso. 

''Gostamos de lá. Eles tratam super bem nosso filho, mas ficamos indignados com esse fato, só isso'', refletiu. 

Em resposta, a Secretaria Municipal de Educação informou que "foram registrados casos de pé-mão-boca em uma unidade escolar da REME". No entanto, "diante das ações de biossegurança adotadas por conta da pandemia da Covid-19 - especialmente o distanciamento social e as medidas de higiene - o contágio dentro das unidades escolares da REME é menos propenso".

"As aulas da REME continuam normalmente, no sistema presencial escalonado, adotado desde o dia 26 de julho deste ano", destacou a Secretaria.

Repercussão

A publicação teve 121 comentários. Diversos internautas comentaram que os filhos já tiveram a doença. 

‘’Essa síndrome é muito triste. Se os pais soubessem como as crianças sofrem'', escreveu uma mulher. 

''Só quem tem filhos que pegaram sabem como é. Dias de febre sem parar’’, revelou uma mãe. 

Outra mulher disse que a filha também contraiu a doença em uma Emei.  

‘’Meu filho pegou! Palhaçada, receberam aluno nessa situação e não barraram... Levou 5 dias para cair todas as feridinhas. É assustador’’, exclamou a internauta. 

Crianças até cinco anos são mais vulneráveis

Foto: Isa Maria Assunção: Saúde Rondônia. 

O que é

A coordenadora Estadual de Vigilância Epidemiológica, Ana Paula Rezende de Oliveira Goldfinger, explica o que é a doença. 

‘’É um vírus que acomete, principalmente, crianças menores de cinco anos. A Síndrome Mão-Pé-Boca pode causar febre alta nos dias que antecedem as lesões na boca, amídalas e faringe, além de bolhas nas plantas dos pés e mãos, nádegas e região genital’’, detalhou a gestora. 

Ana Paula acrescenta ainda que a síndrome pode ocasionar dor de cabeça, dor de garganta, mal-estar, irritabilidade, vômito, diarreia e até a perda de apetite, bem como, apresentar dificuldade de engolir e muita salivação.