TJMS AGOSTO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
quarta, 10 de agosto de 2022 Campo Grande/MS
SENAI SUPER BANNER JULHO E AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
SENAI MOBILE JULHO AGOSTO 2022
Cidades

AJUSTES: servidores podem voltar a trabalhar 8h em MS ou aderirem ao PDV

Propostas começam a ser apresentadas já nesta segunda-feira

10 março 2019 - 15h15Por Vinícius Squinelo

Após quase duas décadas, os servidores públicos de Mato Grosso do Sul podem voltar a trabalhar oito horas por dia, como qualquer funcionário da inciativa privada. Quem não se adequar terá também a possibilidade de aderir ao Programa de Demissão Voluntária, o PDV, e receber benefícios para deixar o cargo.

O Governo de Mato Grosso do Sul fará, na segunda (11) e terça-feira (12), uma série de reuniões com sindicatos para apresentar a proposta de restituição da jornada normal de trabalho e o Plano de Demissão Voluntária (PDV). A primeira reunião será às 9 horas, na Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização (SAD), no Parque dos Poderes, em Campo Grande.

Na prática, os servidores vão voltar a cumprir a jornada de 40 horas (8 horas semanais), para o qual fizeram concurso, igualando a carga deles a dos demais trabalhadores brasileiros. A medida atingirá 32,5% dos servidores ativos, que em 2004 tiveram o horário de trabalho diário reduzido para 6 horas.

A redução foi estabelecida por Zeca do PT, sem nenhuma contrapartida dos servidores públicos. 

PARA O PÚBLICO
Com a retomada da jornada normal de trabalho, a expectativa é de melhora na prestação de serviço à população. Isso porque o acréscimo de horas de trabalho vai equivaler à contratação de 4 mil funcionários, sem implicar em um aumento considerável nas despesas. 

Pesquisa realizada em janeiro deste ano mostra que 93% da população é favorável ao expediente integral nos órgãos públicos. O Ibrape ouviu 893 pessoas nas quatro maiores cidades do Estado: Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Corumbá. 

O Governo do Estado vai apresentar ainda aos servidores como será o projeto do PDV, uma opção para quem quiser deixar o serviço público. A proposta precisará ser aprovada pela Assembleia Legislativa.