Menu
Busca quarta, 08 de abril de 2020
corona
Cidades

Depois de 'ressuscitar' 3 vezes, Emilly morre no HU; família aguarda necropsia

"Atestaram a morte dela três vezes, fazia o protocolo médico e voltava atrás,o hospital deixou ela morrer", diz defesa da família

18 fevereiro 2020 - 10h34Por Nathalia Pelzl

A pequena Emilly Vitória de Jesus, de 5 anos, não resistiu e morreu na madrugada desta terça-feira (18), no Hospital Universitário, em Campo Grande. A morte foi declarada em decorrência de uma parada cardíaca, segundo informações da família.

Conforme o advogado Carlos de Arnaldo Silva Neto, 28 anos, a família aguarda a realização de necropsia. “Fizemos a solicitação de necropsia da Emilly para entender mais a causa da morte dela, só que estamos tendo problemas com o hospital, que está sem profissional para fazer esse procedimento”.

Ele explica que a unidade pediu dois profissionais para a realização do procedimento, sendo um patologista e um técnico em necropsia. “Só que um trabalha em um horário e outro em outro período, então, assim, o horário só bate duas horas por dia, estão com problema de pessoal”.

“A família está devastada. Conseguimos decisão judicial que, se o Estado e o Município tivessem cumprido com a parte deles, nada disso teria acontecido. A causa dela ter ido parar no hospital foi justamente um AVC e isso foi desenvolvendo, o maior problema foi que Estado e o Município fecharam os olhos”.

Carlos cita suposto descaso do hospital, que chegou a atestar a morte da menina, por, pelo menos, três vezes.

“A Emilly descansou, estava sofrendo muito. A situação é complicada, vamos aguardar o procedimento. Atestaram a morte dela três vezes, fazia o protocolo médico e voltava atrás, a termos leigos, o hospital deixou ela morrer, não tomou providência, não fez exames necessário, do Doppler”.

“Agora não é o momento de pensar em justiça e ações judiciais, respeitar o momento, a dor da família, ai depois vamos aos procedimentos e documentos necessários para preservar a memória dela”, finaliza.

No dia 15 de fevereiro, Waldesson Pereira de Jesus denunciou o descaso por parte do Hospital Universitário, em Campo Grande, que não teria equipamento capaz de dizer se a filha, Emilly Vitória de Jesus, 5 anos, estava viva ou não.

Hospital Universitário 

Como citado em outras matérias, o Hospital Universitário de Campo Grande, foi acionado e se recusou a passar informações para o TopMídiaNews. No entanto, é reforçado que o espaço está aberto, caso haja o interesse em se posicionar. 

Entenda 

A pequena, que tem síndrome de down, sofreu um AVC e precisava passar por um eletroencefalograma para saber se havia atividade cerebral, mas, segundo ele, o equipamento do hospital não serve para este caso. 

Emilly levava uma vida normal até sofrer um AVC, em dezembro do ano passado. Depois disso, passou a não mais andar, entre outras sequelas. Ao tratar do problema, foi constatado que ela tinha a síndrome de Moyamoya, que é grave e muito rara. 

O pai conta que, entre altas e internações, a pequena voltou ao HU no dia 29 de janeiro deste ano. No dia 31 sofreu mais um AVC e o quadro de saúde piorou. Entre a dúvida sobre o estado da filha, a menina faleceu oficialmente nesta madrugada.

Leia Também

Marquinhos lamenta desrespeito nos ônibus e Consórcio garante: 'só passageiros sentados'
Cidade Morena
Marquinhos lamenta desrespeito nos ônibus e Consórcio garante: 'só passageiros sentados'
'Tá tudo certo entre nós. Parabéns ao ministro', diz Bolsonaro após reunião com Mandetta
Geral
'Tá tudo certo entre nós. Parabéns ao ministro', diz Bolsonaro após reunião com Mandetta
TAPA NO VISUAL: salões de beleza vão reabrir, mas com regras, anuncia Marquinhos Trad
Cidade Morena
TAPA NO VISUAL: salões de beleza vão reabrir, mas com regras, anuncia Marquinhos Trad
Brasil tem 800 mortes e 15.927 casos confirmados de coronavírus
Saúde
Brasil tem 800 mortes e 15.927 casos confirmados de coronavírus