Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Cidades

'Menosprezada' por Bolsonaro, cadeirinha salvou filho de advogada morta em tragédia na Afonso Pena

Em outros acidentes, crianças seriam arremessadas para fora dos veículos não fosse o equipamento

07 junho 2019 - 11h10Por Thiago de Souza

A cadeirinha para bebês e crianças já salvou a vida de muitas crianças em estradas de Mato Grosso do Sul e nas ruas de Campo Grande. Em um episódio trágico, em 2017,  o carro da advogada Carolina Albuquerque Machado capotou várias vezes após ser atingido por uma Nissan Frontier. O menino de três anos sobreviveu graças ao equipamento. A mãe morreu.

O acidente ocorreu em 2 de novembro de 2017, quando a advogada e o filho, que seguia pela Afonso Pena, sentido Parque dos Poderes, fez conversão à esquerda para acessar a rua Paulo Coelho Machado. Ela furou o sinal vermelho e a Nissan Frontier, que vinha a 115 Km/h, a atingiu em cheio.

Conforme o processo criminal, o carro de Carolina foi parar a quase cem metros do local do impacto. Antes disso, capotou várias vezes. O pequeno, que sofreu fratura na clavícula e algumas escoriações, se recuperou e hoje está bem.

O fato é que o presidente Jair Bolsonaro entregou, na quarta-feira (5), à Câmara dos Deputados, projeto de lei que flexibiliza vários exigências do Código Brasileiro de Trânsito. Entre elas a que diz respeito às cadeirinhas e assentos para crianças.

Acidente com criança registrado pelo TopMídiaNews - Foto: Wesley Ortiz

As regras, conforme o PL3267/19, seguem as mesmas de hoje. O que deixa de existir é a multa aplicada a quem não carregar crianças abaixo de sete anos e meio fora de um dispositivo de segurança, como o bebê conforto, a cadeirinha e o assento elevado, nesses casos de acordo com o peso e a idade da criança.

A infração segue como gravíssima e tira pontos da CNH do condutor, mas a multa de R$ 293,47 é substituída por uma advertência por escrito.

A questão é que especialistas acreditam que, com a retirada da multa, pais e mães poderão infringir a resolução, o que traria enormes riscos à segurança dos pequenos.

'Pimpolhos' saem ilesos de acidente por usarem cadeirinha. (Foto: PRF Divulgação)

Vidas salvas

Em 26 abril de 2018, carro com dois adultos e três crianças capotou na BR-163, próximo a São Gabriel D'Oeste. O veículo parou de cabeça para baixo e os dois ocupantes adultos foram salvos pelo cinto de segurança.  

Segundo a Polícia Rodoviária Federal constatou à época, as crianças saíram ilesas graças ao uso do bebê conforto, assento de elevação e cadeirinha respectivamente. O fato foi tão celebrado, que rendeu até uma foto com uma policial e os três 'anjinhos'.

Inspetora diz que cadeirinha salvou gêmeos em batida na BR-163. (Foto: Divulgação PRF)

Outro acidente que comprova a necessidade da cadeirinha ocorreu em março de 2016, na BR-163, durante o feriadão da Semana Santa. Um carro seguia pela região de Nova Alvorada do Sul quando aquaplanou e bateu em uma árvore. Dentro dele, bebês gêmeos de cinco meses que saíram ilesos, apesar da violência da batida, justo pelo uso do equipamento.  

A emoção ao ver os bebês salvos foi grande. A inspetora Vivian Andrade Correia disse, à época, ao G1, da satisfação em vê-los bem foi grande, principalmente por entender que se não fosse a cadeirinha, os dois teriam sido arremessados para fora do carro.

Leia Também

Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Política
Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Interior
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Cidade Morena
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá