Menu
quinta, 25 de fevereiro de 2021
Geral

21 dos 61 pedidos de impeachment de Bolsonaro tem a ver com a covid-19

Criticas às vacinas e colapso no Amazonas intensificaram oposição ao presidente

21 janeiro 2021 - 16h38Por Thiago de Souza

O comportamento do presidente Jair Bolsonaro e as ações do governo federal em relação à pandemia da covid-19 motivaram 21 dos 61 pedidos de impeachment contra o chefe do executivo. Apenas sete dos pedidos de deposição do presidente são de fatos ocorridos antes de março de 2020, ou seja, antes da pandemia. 

As críticas ao presidente se intensificaram a partir de dezembro de 2020, quando ele questionou a eficácia das vacinas contra a doença e mais recentemente em janeiro de 2021, quando ocorreu um colapso na saúde pública do Amazonas, faltando oxigênio para os pacientes graves. Também há a questão da insistência em receitar medicamentos sem eficácia contra a covid-19 e a exigência de flexibilização das medidas preventivas, como o isolamento social. 

Ainda sobre a crise no Amazonas, partidos de esquerda fizeram um pedido coletivo de impeachment após a constatação de mortes por falta de insumos.  

Conforme o R7, cinco dos 61 pedidos de impeachment foram arquivados por questões formais, por exemplo a falta de assinaturas. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do DEM, não aceitou nenhum pedido até o momento, mas disse que, no futuro, o parlamento pode discutir a questão. 

Protestos

Depois da crise de Manaus, vários movimentos têm organizado protestos contra o presidente da República e pressionando congressistas a aceitarem abrir processo contra Bolsonaro. 

Grupos de esquerda têm promovido carreatas e organizou um panelaço em várias capitais do País. Também há manifestações vindas de movimentos de direita, como o Movimento Brasil Livre e o Vem Pra Rua. 

A disputa pela presidência da Câmara dos Deputado tem dois candidatos principais; Baleia Rossi, do MDB, que se mostrou mais compromissado em analisar os pedidos de deposição do presidente e Arthur Lira, apoiado por Bolsonaro, que evita falar no assunto.