Menu
segunda, 10 de agosto de 2020
Geral

Para investigadores, vídeo não tem nada de devastador contra Bolsonaro, diz CNN

Falas do presidente teriam sido genéricas

12 maio 2020 - 19h41Por Thiago de Souza

Investigadores que tiveram acesso ao vídeo da reunião ministerial, objeto de inquérito no STF, disseram à CNN Brasil que o conteúdo não tem nada de devastador contra o presidente Jair Bolsonaro. A informação surgiu na noite desta terça-feira (12). 

Segundo publicou a emissora, os agentes teriam dito não haver nada que possa mudar o rumo das apurações até o momento. 

"As gravações não têm nada de devastador! Apenas reações inflamadas acerca de fatos genéricos sem especificidades", disse uma alta fonte envolvida na investigação sobre o vídeo da reunião ministerial. 

Ainda segundo a CNN Brasil, no vídeo, Bolsonaro cita perseguições à família no Rio de Janeiro, base eleitoral dele, e de dois de seus filhos, o vereador Carlos e o senador Flávio. O presidente, porém, garantiu em fala à tarde na rampa do Planalto que em nenhum momento citou no vídeo a Superintendência do Rio e nem a PF na reunião.

Na reunião, segundo apurou a CNN, há falas agressivas de ministros a autoridades. O ministro da Educação, Abraham Weintraunb, defendeu que ministros do STF vão para a cadeia e a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu a prisão de prefeitos e governadores.  

No entanto, o objeto do inquérito aberto é apurar somente uma suposta interferência do presidente na Polícia Federal, que foi trazido à tona pelo ex-ministro Sérgio Moro. 

 

Leia Também

Agnaldo Timóteo diz que guarda mágoas do cantor Roberto Carlos
Geral
Agnaldo Timóteo diz que guarda mágoas do cantor Roberto Carlos
Policial civil é suspeito de matar vizinho após briga em BH
Polícia
Policial civil é suspeito de matar vizinho após briga em BH
Pai causa acidente e mata filhos no dia dos pais em rodovia
Polícia
Pai causa acidente e mata filhos no dia dos pais em rodovia
Mato Grosso do Sul chega a 523 mortes pelo coronavírus
CORONAVÍRUS
Mato Grosso do Sul chega a 523 mortes pelo coronavírus