Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Interior

Criticado por Olavo de Carvalho, professor de MS é perseguido por bolsonaristas

O impasse começou depois que ele fez críticas à Ditadura Militar

15 outubro 2019 - 07h00Por Rayani Santa Cruz

O professor e advogado Tiago Botelho, da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), teve que entrar com processo na Justiça, após receber ameaças e ter o nome envolvido em divulgação de fake news. Tudo isso, devido a posicionamento repudiando a ditadura militar.

A confusão começou depois do cancelamento da exibição do documentário “1964: Brasil entre armas e livros”, no campus. 

Segundo o professor, não foi o conteúdo da película que causou a proibição e sim a falta de segurança. O evento em si era polêmico e poderia causar violência devido ao impasse de ideologias de esquerda e direita. A UFGD produziu nota e documentos justificando o fato.

Os organizadores do evento são alunos e administradores da página UFGD Conservadora. O cancelamento causou a irritação de alguns que culparam o professor por causa de uma fala durante expediente no Conselho Universitário. 

Depois disso, um vídeo contendo falas de Tiago passou a ser disseminado entre acadêmicos e em outras páginas conservadoras, gerando ameaças a ele, e ganhando destaque nacional, sendo até compartilhado por Olavo de Carvalho

Botelho explica que o vídeo fora editado e tentava dar conotação de que ele havia chamado os alunos de racistas e fascistas. Ele nega e diz ser a favor da democracia em todas as circunstâncias.

A fala e ação judicial

Botelho teria se referido ao documentário dizendo: "[...] sempre temos que lutar pela liberdade de cátedra. Ainda que a liberdade de cátedra não seja absoluta. Na democracia, tudo tem que ser relativizado; racismo não é opinião, é crime, fascismo não é opinião, é crime, ditadura militar não é opinião, é crime".


(Professor da UFGD, Tiago Botelho- Foto: Reprodução Facebook)

Um dos administradores da página chegou a entrar com denúncia contra o então reitor da UFGD, Márcio Barros, no Ministério da Educação. Ele alegou perseguição ideológica e censura política.

De acordo com o mestre, após o furor entre acadêmicos bolsonaristas, as perseguições continuam e ele acabou entrando com ação judicial, com pedido de indenização pedagógica para compra de livros.

“Estou me sentindo perseguido como professor, cidadão e como advogado. Eu desafio qualquer pessoa que assista ao vídeo chegue à conclusão de que eu chamei alunos de racistas, fascistas e homofóbicos”, diz.

Outros professores do Estado, advogados e o grupo Juristas pela Democracia de Mato Grosso do Sul estão apoiando Tiago Botelho e emitiram nota de apoio. 

Leia Também

Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Cidades
Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Geral
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Política
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais
Geral
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais