Menu
quarta, 02 de dezembro de 2020
Polícia

Cachorro é atingido em tiroteio e perde pata

Moradores acusam um policial militar de ter atirado deliberadamente no animal

29 março 2019 - 16h16Por Da redação/Portal OP9

Um cachorro foi baleado em uma operação na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Apesar de ter sobrevivido, o cão precisou amputar uma das patas. Moradores do local acusam um policial militar do Bope de ter atirado deliberadamente no animal. O PM teria se irritado quando o animal latiu para ele e disparou contra o cachorro.

“Todos os dias, há mais de dois anos, esses dois cachorros ficam ali com a gente. Como os policiais estavam nos coagindo, um deles, o Orelha, latiu. Ele só latiu. Ele não avançou, não mordeu, não fez nada com o policial, somente latiu. Por ele latir, o policial se irritou e atirou na primeira coisa que viu na frente, que foi o outro cãozinho, o Guilherme. Deu um tiro nele e saiu andando como se nada tivesse acontecido”, relatou um morador do local, em entrevista ao jornal Extra.

Testemunhas contam que se protegiam de um tiroteio em um lugar onde Orelha e Guilherme, cães já conhecidos na comunidade, costumam ficar. Quando o policial abordou alguns homens no local, Orelha teria latido para ele, que disparou e acabou atingindo Guilherme. O cão precisou ser socorrido para uma clínica veterinária e passou por uma transfusão de sangue.

Leia Também

Depois de agredir esposa grávida, homem cai de altura de quatro metros e morre no Oliveira III
Cidade Morena
Depois de agredir esposa grávida, homem cai de altura de quatro metros e morre no Oliveira III
Vídeo: roda dupla de caminhão se solta e 'atropela' mulher em calçada em Amambai
É milagre que chama?
Vídeo: roda dupla de caminhão se solta e 'atropela' mulher em calçada em Amambai
Em meio a afastamento, Wilson Witzel se batiza em igreja evangélica do Rio
Geral
Em meio a afastamento, Wilson Witzel se batiza em igreja evangélica do Rio
Plano do Governo prioriza idosos, presos e indígenas na vacina contra a covid
Geral
Plano do Governo prioriza idosos, presos e indígenas na vacina contra a covid