Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Polícia

Com '#JustiçaSejaFeita', policiais dão apoio a PRF que matou empresário em briga de trânsito

Sindicato dos PRFs afirma respeitar a família, mas acredita que policial agiu em legítima defesa

11 abril 2019 - 10h26Por Rodson Willyams e Dany Nascimento

O presidente do sindicato dos policiais rodoviários federais de Mato Grosso do Sul, Ademilson de Souza Benites, de 49 anos, e diversos agentes da PRF, acompanham, na manhã desta quinta-feira (11), o julgamento do colega de farda, Ricardo Hyiun Su Moon.

O réu é acusado de matar o empresário Adriano Correia do Nascimento, no dia 31 de dezembro de 2016, em uma briga de trânsito. O julgamento acontece no Tribunal do Júri, em Campo Grande.

Para o sindicalista, o policial agiu certo e em legítima defesa. "Hoje viemos aqui para dar força para o Moon. Acreditamos que ele teve uma atitude de policial e agiu em legítima defesa. O Adriano avançou com o carro em cima do policial e ele acabou revidando, tendo uma atitude contra o Adriano", comentou o presidente.

Ele destaca que, mesmo que um policial esteja de folga, o 'policial é policial 24 horas'. "A categoria tem respeito pela família de Adriano. A gente não gostaria que tivesse chegado ao resultado morte, mas acreditamos que ele [Ricardo] agiu mesmo em legítima defesa".

O grupo de PRFs está vestido com camisetas personalizadas com os dizeres: "Estamos com você Moon", "Força Moon" e "#justiçasejafeita".

Leia Também

Resultado negativo da Covid-19 faz Julia chorar de alívio e matar a saudade da 'vó mãe'
Cidade Morena
Resultado negativo da Covid-19 faz Julia chorar de alívio e matar a saudade da 'vó mãe'
Reme ainda não tem prazo para retorno das aulas presenciais
Cidade Morena
Reme ainda não tem prazo para retorno das aulas presenciais
Caminhoneiro morre ao capotar veículo na serra de Maracaju
Interior
Caminhoneiro morre ao capotar veículo na serra de Maracaju
Prefeitura libera apresentações de artistas de fora e festas em condomínios
Cidade Morena
Prefeitura libera apresentações de artistas de fora e festas em condomínios