Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Polícia

Promotora diz que acusado de matar Mayara mentiu e tentou enganar mãe da vítima após o crime

Ela afirma que Luís tinha consciência do que fazia e matou Mayara pelas costas enquanto estava deitada na cama do motel

29 março 2019 - 12h28Por Dany Nascimento e Anna Gomes

Durante julgamento de Luís Alberto Bastos Barbosa, a promotora Aline Mendes Franco afirmou que não houve discussão entre o acusado e a musicista Mayara Amaral dentro do quarto de motel. Ela destaca que a vítima foi brutalmente assassinada pelas costas e levou um total de seis marteladas na cabeça.

O julgamento é realizado nesta sexta-feira (29), no Fórum de Campo Grande.

De acordo com a Promotora, a perícia não encontrou escoriações no corpo da vítima, o que comprovaria a versão apresentada pelo acusado, de que os dois discutiram e Mayara deu início a agressões. “O suspeito destruiu a cabeça da vítima com seis marteladas na cabeça, a massa cefálica saiu para fora. Acredito que o crime foi premeditado, já que eles entraram no motel ás 22h05 e às 23h57 ele saiu, após matar a vítima”.

Para a Promotora, Luís mente quando tenta jogar a culpa na droga. “Ele alega que não lembra, que estava drogado, mas ele mandou mensagem do celular da Mayara para a mãe da vítima, querendo colocar a culpa do crime em outra pessoa para livrar a dele. Ele fingiu que a Mayara teria brigado com outro rapaz, escreveu que estava com medo de morrer. A mãe ficou preocupada, falando que ia  buscar. Nisso ele já tinha matado ela. Ele estava consciente dos seus atos”.

Aline destaca ainda que, após cometer o crime, Luís pediu um cigarro para a responsável pela recepção do motel. “Ele aparece nas filmagens andando tranquilamente, sem demonstrar alterações, como ele afirma.  Eu tenho convicção que ele matou a vítima de surpresa. Ele tratava ela como uma diversão, mas a Mayara era apaixonada por ele. Eles iam fazer uma despedida, ela foi por estar apaixonada ao encontro, mas nem imaginava que caminhava para a morte. O crime é de feminicídio sim, havia testemunhas de que ela dormia na casa dele com frequência”.

Luís Alberto vai a júri popular, sendo analisado por sete pessoas, cinco mulheres e dois homens.

Leia Também

Equipamento que será usado para prevenir desabastecimento de água já está em Corumbá
Interior
Equipamento que será usado para prevenir desabastecimento de água já está em Corumbá
Fotógrafo registra fuga de animais e destruição das queimadas no Pantanal
Geral
Fotógrafo registra fuga de animais e destruição das queimadas no Pantanal
'Meu pai não consegue pagar as contas': adolescentes pensam em abandonar o ensino com pandemia
Geral
'Meu pai não consegue pagar as contas': adolescentes pensam em abandonar o ensino com pandemia
Decreto permite três viagens diárias de ônibus entre Corumbá e Campo Grande
Interior
Decreto permite três viagens diárias de ônibus entre Corumbá e Campo Grande