TJMS
(67) 99826-0686

Carlos Bolsonaro é investigado pelo MP do Rio por suposto crime de 'Rachadinha'

Prática de funcionários fantasmas também será apurada

11 SET 2019
Da redação/IG
19h34min
Foto: Renan Olaz - CMRJ

O Ministério Público do Rio de Janeiro investiga o vereador Carlos Boslonaro (PSC) por, supostamente, fazer a ''rachadinha'', que é quando o assessor devolve parte ou todo o salário ao parlamentar.

São dois procedimentos abertos após reportagem da Revista Época, que revelou que Carlos empregou sete parentes de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e sua madrasta. Dois admitiram à reportagem nunca terem trabalhado para o vereador, embora estivessem nomeados.

Os dois procedimentos tramitam sob segredo de justiça. A investigação criminal está a cargo do procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, com apoio do Grupo de Atribuição Originária Criminal (Gaocrim). Já na esfera cível, onde se apura eventual improbidade administrativa, a investigação ocorre na 8ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital, informou o Último Segundo.

Ainda de acordo com o US, um dos principais alvos da investigação é a situação de Marta Valle — professora de educação infantil e cunhada de Ana Cristina Valle. Moradora de Juiz de Fora, em Minas Gerais, ela passou sete anos e quatro meses lotada no gabinete entre novembro de 2001 e março de 2009.

Procurada por Época , Marta disse que nunca trabalhou para Carlos. “Não fui eu, não. A família de meu marido, que é Valle, que trabalhou”. O salário bruto de Marta Valle chegou a R$ 9,6 mil, e, com os auxílios, chegava a R$ 17 mil. Segundo a Câmara de Vereadores , ela não teve crachá como assessora.

 

 

 

 

Veja também