Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Política

Prefeitos dizem que se não houver PRORROGAÇÃO DE MANDATOS, eleições devem ser em outubro

Eles citam que adiamento da data para novembro dificulta período de transição e que casos da covid-19 vão aumentar neste período

01 julho 2020 - 13h15Por Rayani Santa Cruz

Por meio de videoconferência promovida pela Assomasul (Associação dos Municípios de MS), alguns prefeitos do interior do estado disseram à bancada federal que querem uma definição urgente na data das eleições municipais. Eles desejam que a data permaneça no dia 4 de outubro,  caso não haja a prorrogação de mandatos.

Ao abrir o encontro, o presidente da Assomasul, prefeito de Bataguassu, Pedro Caravina comentou sobre a dificuldade dos municípios na crise e reforçou o estudo encomendado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) que aponta a impossibilidade de realização das eleições este ano devido aos casos crescentes de infecção do Covid-19 em todo país.

Conforme a Associação, a posição dos prefeitos para que as eleições sejam realizadas em 4 de outubro, é caso não haja consenso para sua prorrogação, em vez de serem adiadas para novembro. Outra preocupação dos prefeitos é com relação ao tempo que eles vão ter para fazer campanha e para cumprir o processo de transição de governo, incluindo o fechando das contas e entregar os cargos à seus sucessores.

Opinião da Bancada

O Senado aprovou a PEC 18/2020 (Proposta de Emenda Constitucional) que prevê a realização das eleições nos dias 15 (primeiro turno) e 29 de novembro (segundo turno), agora o texto terá de ser votado agora pela Câmara.

A senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) disse que o Senado, tem se baseado nas orientações dos médicos especialistas, por isso prefere aguardar para ter uma posição sobre o tema.  

O deputado Beto Pereira (PSDB-MS) afirmou que sempre defendeu a unificação das eleições no país, com 5 anos de mandato e sem reeleição, como forma de economia para o país. No entanto, prefere nesse momento observar aquilo que a ciência diz e seguir a posição do Senado pela realização do pleito em novembro.   

Da mesma forma, a tucana Rose Modesto (PSDB-MS) defendeu esperar a indicação de um melhor caminho, sobretudo a orientação das autoridades especializadas em saúde pública.

O deputado Vander Loubet (PT-MS) disse que a definição sobre o calendário eleitoral passa necessariamente por uma decisão do Centrão, que conta com 200 parlamentares, e a ideia de prorrogação de mandatos não reúne consenso.

O deputado Fábio Trad (PSD-MS) também se posicionou favorável a orientação das autoridades de saúde e sinalizou apoiar a realização das eleições em duas etapas, do jeito que a matéria passou pelo Senado.

Já a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que sempre foi municipalista,  e considera legitimo o pedido dos prefeitos nesse momento de crise.

O deputado Dr. Luiz Ovando (PSL-MS), que é médico, defendeu a manutenção das eleições em 4 de outubro, por entender que a situação não irá mudar muito em novembro em relação a pandemia.

Os prefeitos participantes foram: Waldeli dos Santos Rosa, de Costa Rica,  prefeito de Bela Vista, Reinaldo Piti, prefeito Tuta de Ivinhema, prefeito Willian do Banco de Pedro Gomes e Hélio Peluffo de Ponta Porã.

Leia Também

Rapaz é assassinado na frente da casa da ex-mulher em Campo Grande
Polícia
Rapaz é assassinado na frente da casa da ex-mulher em Campo Grande
Bolsonaro é internado para fazer cirurgia em São Paulo
Política
Bolsonaro é internado para fazer cirurgia em São Paulo
Sexta-feira será de tempo seco e calor extremo em MS
Cidades
Sexta-feira será de tempo seco e calor extremo em MS
Envenenamento de animais em massa no Jardim Noroeste revolta moradores
Cidade Morena
Envenenamento de animais em massa no Jardim Noroeste revolta moradores