volta as aulas
Menu
Busca sábado, 29 de fevereiro de 2020
dengue
Política

Reforma que 'mata' 5 impostos e cria apenas 1 deve aumentar dinheiro repassado a MS

Opinião é do deputado federal Fábio Trad; proposta deve ir à votação neste semestre

09 agosto 2019 - 19h00Por Celso Bejarano, de Brasília

É intenção da Câmara dos Deputados mandar para a votação, ainda neste semestre, a reforma Tributária, proposta que se arrasta há décadas no Congresso Nacional. A ideia que cria um imposto só e acaba com cinco, deve aumentar a receita do estado de Mato Grosso do Sul, acredita o deputado federal Fábio Trad (PSD-MS).

“Temos muitos tributos hoje, uns incidem sobre os outros, encavala de maneira que não se sabe o que você está pagando. Com a extinção dos cinco tributos e a criação de um só tem-se melhor condição de fiscalizar, aumentar receita e combater a sonegação”, disse o parlamentar, que integra a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara Federal, por onde passa primeiro a proposta da reforma tributária.

De acordo com o parlamentar sul-mato-grossense, o imposto a ser criado vai chamar-se IBS (Imposto sobre Bens e Serviços). Extinguem-se os tributos que incidem acerca de produtos, como os impostos federais Cofins, IPI e PIS e os estaduais ICMS e ISS.

Pela proposta, até o fim do período de transição, de meio século, o dinheiro da arrecadação deve ficar na região onde o imposto foi pago.

Ainda conforme o deputado Fábio, dentro no âmbito da reforma Tributária, há a promessa do governo de Jair Bolsonaro (PSL) de inverter a fórmula de distribuição dos impostos arrecadados. Por meio do conhecido Pacto Federativo, o dinheiro juntado com impostos deva favorecer mais os estados e os municípios brasileiros.

Hoje, 65% do arrecadado fica com a União, 25% com os estados e o resto, em torno de 10%, com as prefeituras. Com o pacto, a fatia maior segue para os cofres estaduais.

“Com essa reforma [Tributária] teremos a sensação mais nítida de quanto o imposto onera o produto”, afirmou Fábio Trad.

DINHEIRO DO ESTADO

O tributo que mais junta dinheiro para o Estado é o ICMS, o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviço.  A contribuição desse imposto, em torno de R$ 650 milhões mensais, representa quase 60% da arrecadação anual do Estado, que gira em torno de R$ 14 bilhões.

Pelas regras da reforma tributária, o dinheiro arrecadado com impostos pelos estados deve seguir direto para a conta da União, que vai repartir o ganho com as regiões.

Leia Também

Acusado de matar namorada a facadas e tentar suicídio segue internado sob escolta policial
Polícia
Acusado de matar namorada a facadas e tentar suicídio segue internado sob escolta policial
Bandeira tarifária segue verde em março
Economia
Bandeira tarifária segue verde em março
Trabalhador cai do telhado ao realizar reparos
Interior
Trabalhador cai do telhado ao realizar reparos
Motorista bate e tomba carro na Ricardo Brandão
Cidades
Motorista bate e tomba carro na Ricardo Brandão