TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
ALMS - NOVEMBRO
Saúde

Após conseguir cirurgia, bebê com malformação no coração morre no hospital

Criança havia passado por uma cirurgia de correção. Família conseguiu na Justiça o sequestro de verba pública para o procedimento

13 novembro 2018 - 11h44Por Da redação / G1

A menina que nasceu com cardiopatia grave, uma doença que leva a uma malformação no coração, e ficou internada durante oito meses no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) morreu no domingo (11). Dalila Vitória Pereira havia passado por uma cirurgia de correção na última quarta-feira (7), no Hospital Dante Pazzanese, em São Paulo.

A família do bebê, que mora no bairro Santo Amaro, conseguiu na Justiça o sequestro de verba pública para o procedimento enquanto a paciente aguardava uma vaga pela Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross). O impasse chegou ao fim na terça-feira (6) com a transferência após o tratamento de uma infecção.

Após a cirurgia, a mãe da menina, Claudia Cristina Silva, contou ao G1 que a operação durou cerca de quatro horas e que Dalila estava se recuperando bem, mas acabou passando mal e não resistiu. Ela foi enterrada no Cemitério Santo Antonio, em Sorocaba, na tarde de domingo. "Nosso anjinho voltou para Deus e vamos tocar a vida. É seguir sem ela", disse Claudia.

Luta na Justiça

O bebê esteve internado no CHS desde o nascimento e recebeu tratamento enquanto o caso corria pela Vara da Infância e Juventude. A decisão da juíza Erna Thecla Maria Hakvoort havia definido o valor de R$ 147.037,56 para ser disponibilizado pela Fazenda Pública do Estado de São Paulo para custeio do tratamento, com depósito em juízo.

O caso foi compartilhado por Claudia nas redes sociais e comentado por vários internautas. Após o nascimento da filha, a dona de casa, de 37 anos, se revezava com a irmã para acompanhar a internação da criança em Sorocaba.

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado, a vaga da criança só foi cedida no dia 15 de outubro, porém a paciente apresentava quadro infeccioso, com uso de antibióticos, o que impossibilitou a transferência imediata.