TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
pmcg revia negocios
Saúde

Policial Militar, Mônica teve um AVC aos 40 anos e hoje até calçar chinelos é uma vitória

No mês de prevenção ao AVC, conheça sintomas e dicas para evitar a doença

31 outubro 2018 - 09h30Por Nathalia Pelzl

Mônica Cibele da Silva, 40 anos, policial militar, teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) isquêmico há um ano. Ela relata que não sentiu nada, apenas uma dor na perna direita e não conseguiu se mover. 

“Eu tive o AVC devido à diabetes tipo I, para me recuperar eu faço fonoaudióloga, fisioterapia, terapia ocupacional. O AVC foi ocasionado devido a uma dieta sem acompanhamento, por conta, e faltou oxigenação no cérebro. Foi uma dieta Low Carb que eu não podia ter feito”, ressalta ela, que no inicio não conseguia falar e nem compreender o que as pessoas falavam pra ela.

Para ela, a melhora do estado de saúde é graças ao acompanhamento médico, e que uma das maiores vitórias hoje é conseguir calçar os chinelos e sapatos sem ajuda.

Combate ao AVC

Em outubro é comemorado o dia mundial de Combate ao AVC, segunda causa de morte e a primeira causa de incapacidade no mundo. Em Campo Grande, diversas ações em alusão à Campanha Nacional de Combate ao AVC aconteceram.

Rebeca Gigante é neurologista, registrado com o CRM 7846/MS, e fala da importância dos cuidados com alimentação e medicação sem prescrição médica. Ela ressalta ainda que fatores como pressão alta, diabetes, sedentarismo, álcool, tabagismo contribuem para o acidente. É preciso ficar atento aos sintomas.

Comportamento de risco

Damiana Martins Cardoso, 39 anos, trabalha com serviços gerais. Ela conta que o risco de ter um AVC a deixou assustada, e que agora vai tentar solucionar o problema.

“Estou com 189% mais chances de ter AVC, tomo remédio para pressão. A orientação agora é procurar fazer exercícios como caminhadas e hidroginástica”, comenta Damiana.

Sintomas

A neurologista ressalta que crianças e mulheres mais jovens podem sofrer com o AVC devido à falta de vitaminas. Existem dois tipos do acidente, o AVC isquêmico que representa 80% dos casos e as sequelas são comuns, e o AVC hemorrágico que representa 20% dos casos, mas o índice de mortalidade é maior.

Ela explica os sintomas: “nós delimitamos um acróstico, SAMU, que o S significa Sorria, nesse o sintoma é a boca torta; Abrace, o braço cai; Música, a voz fica enrolada, e no 'u' é Urgência e colocamos o número 152. E trabalhar sobre os fatores de risco diminuiu 90% dos riscos, deixar a pressão em dia, colesterol, e trabalhar o sedentarismo”, ressalta.

Para Rebeca, existe a necessidade do sistema público e privado de saúde ter uma linha de cuidados de AVC, isso seria desde a sociedade reconhecer os sintomas, até ter o tempo resposta da equipe pré-hospitalar chegar ao paciente até o transporte.