segunda, 15 de julho de 2024

Busca

segunda, 15 de julho de 2024

Link WhatsApp

Entre em nosso grupo

2

WhatsApp Top Mídia News
Campo Grande

há 1 mês

Com filho cardiopata, mãe coloca casa à venda para pagar cirurgia urgente

Com adolescente cada vez pior, família tenta pagar cirurgia devido à demora do SUS

  • Sem saída, a família decidiu pela venda da casa própria
  • Sem saída, a família decidiu pela venda da casa própria
  • Sem saída, a família decidiu pela venda da casa própria

Sebastiana Aparecida Domingues Medina, de 47 anos, está desesperada sem saber mais o que fazer para ajudar o filho cardiopata. Há sete meses em Campo Grande, lutando para conseguir garantir ao filho Deivid Ribeiro Domingues Medina, de 15 anos, o acesso a uma cirurgia urgente que precisa no coração.

Com o filho com uma cardiopatia grave, Sebastiana Aparecida Domingues Medina, de 47 anos, resolveu colocar a casa da família à venda para custear tratamento de Deivid Ribeiro Domingues Medina, de 15 anos. De Corumbá, a família luta há 9 meses por cirurgia urgente em Campo Grande.

Desesperada, sem saber mais o que fazer para ajudar o filho, Sebastiana resolveu colocar a casa da família à venda, em Corumbá. Segundo ela, foi uma decisão muito difícil.

"Estou vendendo minha casa com meu ponto comercial. Foi uma decisão muito difícil, mas temos que pagar a cirurgia do cateter do meu filho. Está difícil ver meu filho sofrer com as crises dele e esperar pelo SUS está complicado", revela.

O adolescente possui um problema de coração, descoberto após sofrer um começo de AVC enquanto estava na escola, ainda em Corumbá, onde moravam. Depois, descobriu-se que ele tem uma condição cardíaca que coloca a vida em risco.

Sem pensar duas vezes, em busca de tratamento adequado para o filho, Sebastiana veio para Campo Grande com ele, o marido e o pai dela, um idoso de 91 anos, e que também tem problemas de saúde. 

Já na Capital, ela descobriu que a vida do filho está em risco, caso ele não faça a cirurgia no coração. Caso fosse fazer o procedimento cirúrgico por meios particulares, seria necessário desembolsar R$ 102 mil, e, ainda, caso fosse necessário utilizar uma UTI com ventilação mecânica, caso houvesse intercorrência, mais R$ 17 mil.

Como não dispõe desses recursos financeiros, a mãe tenta obter a cirurgia por meio da Justiça. Sebastiana entrou com um pedido de tutela liminar em caráter de urgência contra a Prefeitura de Campo Grande. O pedido foi analisado e deferido pela juíza que entendeu a necessidade do tratamento médico-hospitalar imediato, porém nada foi feito e a família continua sem sinal da operação.

A família aguarda agora o cumprimento da decisão, sem prazo para ser cumprida. Enquanto aguarda que o filho consiga a cirurgia urgente que necessita, a família sofre com a incerteza e agonia da espera. O tempo passa e a saúde de Deivid fica cada vez mais debilitada.

"Meu filho quase todo dia tem crises de falta de ar, tem dor no peito. Eu tenho medo de perder meu filho. Eu não consigo dormir com esse desespero. Ontem mesmo meu filho teve uma crise. O que custa a prefeitura liberar a verba para o hospital fazer a cirurgia no meu filho? Eu estou agoniada, numa tristeza. Me sinto fraca em ver meu filho sofrer e não poder ajudá-lo a melhorar", diz abalada.

Deivid precisa de dois cateterismos especiais e colocar uma válvula no lado esquerdo do coração. Ele já fez todos os exames necessários e aguarda apenas a cirurgia.

Para conseguir fazer o procedimento no particular, a família resolveu abrir uma vaquinha virtual com a esperança de conseguir arrecadar o valor. No entanto, até o momento, as doações não chegaram ao valor necessário para custear a cirurgia.

Sem saída, a família decidiu pela venda da casa própria. Sebastiana informa que o imóvel possui um salão comercial. A residência fica localizada na Rua 7 de Setembro, esquina com a Alameda Santa Catarina, no bairro Cristo Redentor, em Corumbá.

Segundo ela, o bairro está em constante crescimento, com escolas, mercados, praças e posto de saúde próximos ao endereço. O imóvel deve ser transferido por meio de contrato de compra e venda, registrado no cartório.

"Minha última esperança é conseguir arrecadar o valor da cirurgia. Eu e meu marido largamos toda nossa vida em Corumbá, tudo o que tínhamos pelo nosso filho. Meu coração não tem paz. Vivo agoniada por medo de perdê-lo. Espero de coração que Deus toque o coração de todos e abençoe as nossas vidas", conclui.

Mais informações sobre o imóvel pode ser obtida diretamente com Sebastiana, pelo telefone (67) 9 9801-8251. O número também é a chave PIX para quem busca ajudar com doações. A família também possui uma vaquinha para Deivid, que pode ser acessada pelo link https://www.vakinha.com.br/4525904.

Loading

Carregando Comentários...

Veja também

Ver Mais notícias
AMIGOS DA CIDADE MORENA ABRIL NOVEMBRO