Menu
sábado, 28 de maio de 2022 Campo Grande/MS
TOP MIDIA INSTITUCIONAL SUPER BANNER
Polícia

Preso em investigação por fraudes no Hospital Regional passa por audiência de custódia

Luiz foi flagrado com duas armas de fogo dentro de uma residência

03 dezembro 2018 - 08h18Por Dany Nascimento

Luiz Antônio Moreira de Souza, 61 anos, preso na última sexta-feira (30) durante a Operação Reagente, realizada por agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), passa por audiência de custódia nesta segunda-feira (3), no Fórum Heitor Meirelles Comarca de Campo Grande.

De acordo com a assessoria de imprensa do Fórum, Luiz foi flagrado com duas armas dentro de sua residência no bairro São Francisco. Ele foi flagrado com uma pistola .380 e para uma carabina apresentou o porte de arma, mas os agentes verificaram que o documento estava vencido.

Audiência de custódia, na linguagem jurídica, é o instrumento processual que indica que todo o preso em flagrante deve ser levado até um juiz, no prazo de 24 horas, para que ele examine a legalidade e a necessidade da manutenção da prisão.

Operação Reagente

A Operação Reagente deflagrada no Hospital Regional de Campo Grande foi realizada com a finalidade de apurar crimes de fraude em licitação, peculato, corrupção ativa, entre outros, já que as investigações apontam prejuízo de mais de R$ 3 milhões nos últimos anos.

A operação é uma iniciativa do Ministério Público Estadual, por intermédio do Grupo Especial de Combate à Corrupção – GECOC e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado – GAECO, com a participação da controladoria-Geral do Estado de Mato Grosso do Sul.

Agentes do Gaeco saíram da sede do Hospital Regional com diversos documentos. Foram cumpridos três mandados de prisão preventiva e 14 mandados de busca e apreensão em Campo Grande, Ribeirão Preto/SP e São Paulo, todos expedidos pela 3ª Vara Criminal de Campo Grande.

A operação foi realizada com Promotores de Justiça do GAECO de Mato Grosso do Sul e São Paulo e GECOC, além de 59 policiais militares do GAECO e Batalhão de Choque, além de servidores do Ministério Público.