Menu
sábado, 25 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
Política

Kemp acusa Bolsonaro de incompetência, David compra briga e discussão pega fogo

Pedro Kemp do PT afirmou que o debate sobre o retorno do voto impresso auditável é uma forma de desviar o foco da gestão diante da pandemia e do aumento da inflação; bolsonarista rebateu e ganhou apoio de vários colegas

04 agosto 2021 - 15h00Por Rayani Santa Cruz

Após o deputado Pedro Kemp (PT) fazer críticas ao governo Jair Bolsonaro e dizer que o debate sobre o voto impresso/auditável é uma forma de desviar o foco da gestão, diante da pandemia e do aumento da inflação, o deputado Coronel David (sem partido) "se doeu" e saiu em defesa do presidente. Ele afirma que o petista fez acusações injustas.

O petista e o bolsonarista discutem o tema há dois dias durante as sessões da Assembleia Legislativa e, pelo jeito, a briga vai longe.

Coronel David afirma que a oposição está inventando narrativas falsas para prejudicar o governo do presidente Jair Bolsonaro. 

“Se o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pedir o indiciamento do presidente no inquérito das “fake news” e se o poder judiciário indiciar as pessoas sem a participação do Ministério Público nós estaremos “rasgando” a Constituição Federal. Os petistas ficam torcendo por atos ilegais e antidemocráticos e se isso acontecer será um atentado contra a independência e a harmonia que deve existir entre os poderes da República”, afirmou Coronel David.

David afirmou, em sessão nesta quarta-feira (4), que o Partido dos Trabalhadores e a esquerda "vem de uma forma sorrateira e criminosa vem querendo praticar esse golpe que eles tanto querem jogar no colo do presidente."

Para Coronel David, os discursos contra o voto impresso auditável são narrativas criadas pela oposição para prejudicar o governo Bolsonaro. Sobre a medida do Judiciário, o deputado disse que “é um atentado contra a democracia, a independência e a harmonia entre os poderes”, ressaltou.

O que diz Kemp

Kemp afirmou que Bolsonaro cria factoides e dissemina informações falsas sobre o voto impresso fugindo dos reais problemas do País e atacando a democracia. Além disso, chamou o presidente de incompetente e desmentiu que o partido tenta golpe político. 

"O sistema eleitoral eletrônico é usado há 25 anos sem nenhuma fraude comprovada. As urnas eletrônicas são modernas, rápidas e seguras. Com a popularidade em queda, Bolsonaro faz o debate em torno do voto impresso para tumultuar as eleições e evitar sua derrota”, disse.

O TSE encaminhou pedido ao Supremo Tribunal Federal para que o presidente seja investigado por disseminar notícias falsas. “Isso para apurar as mentiras de Bolsonaro, que ataca a confiabilidade do voto eletrônico sem apresentar provas. E o pior é afirmar que não haverá eleições sem o voto impresso. Isso é uma falácia. A cidadania vai resistir”, destacou o petista.

Opinião de outros deputados

A deputada Mara Caseiro (PSDB) afirmou, durante a sessão de hoje, que todas as tentativas de trazer segurança ao sistema eleitoral  é salutar. "Entendo que o voto auditável é seguro. Quanto mais transparência, melhor ao eleitor. Não tem porque ter medo."

Na mesma linha, o deputado Lídio Lopes (Patriota) também é a favor do voto impresso. “O que na verdade é proposto não é você ter acesso a nada. É que você vote e olhe e o papel caia em outra urna sem você tocar no comprovante. Hoje não conseguimos materializar nada da maneira como é feito. Você acredita exatamente naquilo que é apurado. No voto auditável tem como fazer a conferência.”

Já o presidente da Casa, deputado Paulo Corrêa (PSDB), acredita que não seja o momento para tal discussão. 

O bolsonarista Capitão Contar (PSL) logicamente é favorável a inserção do novo modelo. Ele inclusive participou de manifesto na Capital pedindo o voto auditável.

Neno Razuk (PTB) disse que todo o avanço tecnológico é importante. "Não vejo motivos da direita, esquerda ou centro ter medo do voto auditável. É uma segurança a mais para a população."