Menu
sexta, 18 de setembro de 2020
Política

Energisa nega interferir em perícia de CPI e diz que só quis 'informações técnicas' de professor

Presidente da comissão pediu para concessionária não manter contato com entidades envolvidas na investigação

13 março 2020 - 17h18Por Thiago de Souza

A Energisa em Mato Grosso do Sul negou, na tarde desta sexta-feira (13), que tenha interferido nos trabalhos de perícia pedidos pela CPI da Assembleia Legislativa, que investiga supostas irregularidades da empresa. Em nota, a concessionária alega que só pediu informações técnicas a um professor que seria responsável pela perícia dos medidores de consumo.

Conforme divulgado nesta sexta-feira, a Energisa foi notificada pela Comissão porque um técnico que acompanha a investigação teria feito contato com o professor-doutor da Universidade de São Carlos, Rogério Andrade Flauzino. A interpretação da presidência da CPI foi a de que esse contato seria uma interferência nos trabalhos da comissão.

Diante da suposta interferência, os membros da CPI enviaram um ofício à Energisa, pedindo que ela se abstivesse de manter contato com as entidades envolvidas no trabalho de perícia para a investigação.

Porém, em nota enviada ao site, a Energisa esclareceu ''que seu representante técnico nomeado para acompanhar na CPI, nos termos e prerrogativas garantidas na legislação processual civil, entrou em contato com a Universidade de São Carlos, sem sucesso, por meio do professor Rogério Andrade Flauzino para entender os procedimentos técnicos a serem adotados na aferição dos medidores contratada pela CPI''.

De acordo com o ofício da empresa enviado para a UFSC, uma das perguntas era se a universidade paulista teria acreditação do Inmetro para fazer os testes metrológicos e se a instituição poderia apresentá-las.

A concessionária explicou ainda que não houve proibição de contato pela comissão parlamentar, e que o ofício enviado para a Energisa, foi posterior a tentativa de contato realizada pela concessionária.

Leia na íntegra a nota da Energisa

A Energisa esclarece que seu representante técnico nomeado para acompanhar na CPI, nos termos e prerrogativas garantidas na legislação processual civil, entrou em contato com a Universidade de São Carlos, sem sucesso, por meio do professor Rogério Andrade Flauzino para entender os procedimentos técnicos a serem adotados na aferição dos medidores contratada pela CPI.

A concessionária protocolou na universidade um requerimento com perguntas técnicas sobre a metodologia realizada pela perícia e a qualificação da instituição para tal. A Energisa busca coletar informações acerca da acreditação dos laboratórios da USP São Carlos perante o INMETRO, que é o órgão que atesta a capacitação para manipular os medidores de energia das distribuidoras de energia elétrica. A ausência dessa acreditação torna a perícia inválida.

Explica ainda que NÃO houve proibição de contato pela comissão parlamentar, e que o ofício enviado para a Energisa, foi posterior a tentativa de contato realizada pela concessionária.

A concessionária reitera que NÃO se opõe à investigação, tampouco à realização da prova técnica, mas que algumas informações são estritamente necessárias para que o processo tenha valor técnico e legal, e para que não gerem desperdício de recurso público.
 

 

 

 

 

 

Leia Também

Sextou sem chuva: tempo seco predomina e MS continua com calor intenso
Cidades
Sextou sem chuva: tempo seco predomina e MS continua com calor intenso
Família fazia apelo para Elias largar mulher com histórico de agressividade
Cidades
Família fazia apelo para Elias largar mulher com histórico de agressividade
Bolsonaro defende volta às aulas e ataca professores: 'tá bom pra eles ficar em casa'
Geral
Bolsonaro defende volta às aulas e ataca professores: 'tá bom pra eles ficar em casa'
Jovem morre em Ponta Porã após aplicação estética em clínica clandestina no Paraguai
Hidrogel
Jovem morre em Ponta Porã após aplicação estética em clínica clandestina no Paraguai