ALMS junho neocom
Menu
sexta, 18 de junho de 2021
CONFLITO  18 A 20/06/21
Política

Quebra de aliança? Mandetta e Tereza Cristina decidirão se Saraiva disputa eleição ou não

Partido já havia anunciado apoio a reeleição de Marquinhos Trad (PSD)

29 julho 2020 - 17h00Por Rayani Santa Cruz

A candidatura ou não do ex-vereador Airton Saraiva, para concorrer a prefeitura de Campo Grande, está nas mãos do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta e da ministra da Agricultura Tereza Cristina.

O assunto veio à tona, após o ex-vereador Saraiva, que também é vice-presidente municipal do DEM, divulgar que deseja disputar o cargo de prefeito. O partido fará reuniões com executiva e com líderes para discutir o assunto e tomar decisão final. Até porque o DEM já havia definido que apoiaria a reeleição de Marquinhos Trad (PSD), inclusive com direito a elogio de Mandetta, ainda na época de ministro. 

Único representante da sigla na Câmara de Campo Grande, o vereador Eduardo Cury afirmou que as opiniões do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta e da ministra Tereza Cristina serão fundamentais para decisão final da sigla. “Além de ouvir a executiva, existem os dois quadros, que são o ex-ministro Mandetta e a ministra Tereza Cristina. Eles são fundamentais para a decisão. Vejo a vontade dele [Saraiva] como um caminho e, se tiver fundamentado, não vejo problema. Precisamos aguardar o agendamento da reunião para analisar”. 

Questionado, o presidente municipal Lucio Flávio disse que Saraiva tem o pleno direito de apresentar proposta para se lançar pré-candidato, já que é um político de nome e experiente. “Saraiva foi vereador e tem experiência, por isso, é um direito de qualquer filiado apresentar o seu projeto de pré-candidatura, mas isso tem que ser passado a todas as lideranças e direção do partido”.

O presidente disse que como o partido já havia anunciado aliança com o PSD e serão necessárias reuniões para discutir a proposta do ex-vereador, antes da convenção. “Por outro lado, houve uma aliança com atual prefeito e desconheço qualquer alteração nesse sentido, pela coerência política”, finaliza.