TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
terça, 24 de maio de 2022 Campo Grande/MS
TOP MIDIA INSTITUCIONAL SUPER BANNER
Polícia

'Sequestro' será ouvido hoje no Fórum da Capital

Ele é acusado de cometer roubos em farmácias e uma casa de carne na região da Avenida Júlio de Castilho

13 dezembro 2018 - 10h03Por Dany Nascimento

Luciano de Carvalho Delgado, de 34 anos, vulgo ‘Sequestro’ passa por audiência de custódia nesta quinta-feira (13), no Fórum Heitor Medeiros da Comarca de Campo Grande. Audiência de custódia, na linguagem jurídica, é o instrumento processual que indica que todo o preso em flagrante deve ser levado até um juiz, no prazo de 24 horas, para que ele examine a legalidade e a necessidade da manutenção da prisão.

Ele foi preso por agentes do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), após ser apontado como ladrão de roubos em duas farmácias. Sequestro foi preso por volta das 15 horas da última terça-feira (11), enquanto estava na sua residência, no Bairro Lageado, em Campo Grande. A mãe de 66 anos também acabou presa.

Segundo informações do delegado do Garras, João Paulo Sartori, o bandido teria assaltado uma farmácia na região do Trevo Imbirussu e outra na região do bairro São Conrado. "Na primeira ele levou R$ 200 e na outra R$ 350 e mais um celular da grávida que estava no local. Ele teria inclusive apontado a arma para barriga da mulher".

Ainda conforme o delegado, o assaltante usava roupas como botina e calça se passando por trabalhador da construção civil. O homem foi preso em sua residência e quando os policiais chegaram ele havia acabado de trocar de roupa.

Na delegacia, durante a coletiva de imprensa, o homem negou os crimes e disse que o seu apelido não seria 'Sequestro' e sim 'Diego' ou 'Neguinho'. A policia ainda acredita que o homem pode estar envolvido em mais cinco assaltos e pode chegar a 10 crimes praticados.

"Com a divulgação da imagem, as vítimas podem ligar no 3357-9500 que serão orientados a como proceder", explica Sartori. O homem estava evadido da Justiça e cumpria uma pena de 19 anos de prisão, mas não foram repassados os detalhes da prisão. A arma do crime utilizada não foi encontrada.